sn-babylonians

Astrônomos da Babilônia Usaram Geometria Para Calcular a Posição de Júpiter

Space Today
1 fev 2016

Users who have LIKED this post:

  • avatar

sn-babylonians

De acordo com o professor Mathieu Ossendrijver, da Universidade Humboldt, na Alemanha, os astrônomos da Babilônia usaram a geometria para calcular a posição do planeta Júpiter – uma técnica que de acordo com o que os historiadores de ciência acreditavam anteriormente não teria sido desenvolvida no mínimo 1400 anos depois dos babilônicos.

O professor Ossendrijver traduziu cinco tablas babilônicas datadas de 350 a 50 a.C. e encontrou que elas continham um cálculo sofisticado da posição do planeta Júpiter.

Essas tablas foram descobertas no século 19, perto do templo Esagila na Babilônia e estão agora em exposição no Departamento do Meio Leste do Museu Britânico, em Londres.

De acordo com o profesor Ossendrijver, elas mostram dois intervalos de quando Júpiter apareceu primeiro no horizonte, calculando a posição do planeta em 60 dias e em 120 dias.

image_3598e-Babylonian-Tablet

Os textos contêm cáculos geométricos com base na área do trapézio, e seus lados, maior e menor. Anteriormente acreditava-se que os astrônomos babilônios operavam exclusivamente com conceitos aritméticos.

Os antigos astrônomos também calcularam o tempo quando Júpiter cobriu metade dessa distância de 60 dias, particionando o trapézio em dois menores de mesma área.

“A ideia de calcular o deslocamente de um corpo como uma área no tempo e velocidade do espaço, normalmente é datada do século 14 na Europa”, disse o professor Ossendrijver, que é o autor do novo artigo que foi publicado na revista Science.

“Eu mostro que em 4 tablas da babilônia antiga, o deslocamento de Júpiter ao longo da eclíptica é calculado como sendo a área do trapézio obtido do desenho do seu movimento diário contra o tempo”.

“Nenhuma das tablas possuem desenhos, mas os textos descrevem a figura do que seria a área computada de um trapézio. Dois desses textos de trapézios são conhecidos desde 1955, mas o significado deles permanecia incerto, até mesmo depois que duas outras tablas com essas operações terem sido descobertas nos anos recentes”.

“Enquanto que os antigos gregos usavam figuras geométricas para descrever as configurações no espaço físico, essas tablas babilônicas usam geometria abstrata para definir o tempo e a velocidade”, comenta o professor Ossenfrijver.

As tablas redefinem os livros de história, revelando que os acadêmicos europeus de Oxford e de Paris do século 14, aos quais normalmente se credita o desenvolvimento desses cálculos, estavam de fato, séculos atrás dos babilônios antigos.

“Esses cálculos antecipam o uso de técnicas similares pelos acadêmicos europeus, mas eles foram feitos, no mínimo, 14 séculos antes”, disse o professor Ossendrijver.

“Os chamados calculadores de Oxford, um grupo de matemáticos acadêmicos, que trabalharam no Merton College, em Oxford, no século 14, são tidos como os criadores do teorema mertoniano da velocidade média. Esse teoremo postula que a distância viajada por um corpo desacelerado uniformemente, corresponde à moderna fórmula S = t*(u +v)/2, onde u e v são as velocidades iniciais e finais”.

“No mesmo século, Nicole Oresme, um bispo e filósofo escolástico de Paris, determinou um método gráfico que permitia provar essa relação. Ele computou S como a área de um trapézio de largura t e alturas u e v”.

“Os procedimentos do trapézio babilônico podem ser vistos como exemplos concretos do mesmo tipo de cálculo”, diz ele.

“Essa descoberta surpreendente muda nossas ideias sobre como os astrônomos da Babilônia trabalhavam e como eles podem ter influenciado a ciência ocidental”.

Fontes:

http://www.sci-news.com/astronomy/babylonian-astronomers-geometry-jupiters-position-03598.html

http://www.sci-news.com/astronomy/babylonian-astronomers-geometry-jupiters-position-03598.html

http://www.sciencemag.org/news/2016/01/math-whizzes-ancient-babylon-figured-out-forerunner-calculus

alma_modificado_rodape105

CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on PinterestShare on Tumblr

Comentários