fbpx

VISTA Observa Uma Enorme “Bola” de Estrelas

Esta bela imagem do aglomerado globular Messier 55 situado na constelação do Sagitário foi obtida no infravermelho com o telescópio de rastreio VISTA instalado no Observatório do Paranal do ESO no Chile. Esta enorme "bola" de estrelas antigas está localizada a cerca de 17 000 anos-luz de distância. Crédito: ESO/J. Emerson/VISTA. Acknowledgment: Cambridge Astronomical Survey Unit

Uma nova imagem do aglomerado estelar Messier 55, obtida com o telescópio de rastreio infravermelho VISTA, mostra dezenas de milhares de estrelas amontoadas como um enxame de abelhas. Além de estarem todas confinadas num espaço relativamente pequeno, estas estrelas encontram-se também entre as mais velhas do Universo. Os astrônomos estudam Messier 55 e outros objetos antigos, chamados aglomerados globulares, no intuito de compreenderem como é que as galáxias evoluem e as estrelas envelhecem.

Os aglomerados globulares mantêm-se unidos numa forma esférica compacta por efeito da gravidade. No caso de Messier 55, as estrelas encontram-se muito próximo umas das outras: encontramos aproximadamente cem mil estrelas contidas numa esfera com um diâmetro de cerca de 25 vezes a distância entre o Sol e o sistema estelar mais próximo, Alfa Centauri.

Foram detectados até agora cerca de 160 aglomerados globulares em torno da nossa galáxia, a Via Láctea, principalmente na direção do bojo central. As duas descobertas mais recentes, obtidas com o VISTA, foram anunciadas recentemente (eso1141). As maiores galáxias podem ter milhares destas coleções ricas em estrelas, orbitando em seu redor.

Observações das estrelas dos aglomerados globulares revelam que todas elas se formaram mais ou menos ao mesmo tempo – há mais de 10 bilhões de anos atrás – e a partir da mesma nuvem de gás. Uma vez que este período de formação se deu poucos bilhões de anos depois do Big Bang, quase todo o gás disponível era o mais simples, mais leve e mais comum no cosmos: o hidrogênio, com algum hélio e quantidades muito pequenas de elementos químicos mais pesados, como é o caso do oxigênio e do nitrogênio.

Este mapa mostra a localização do aglomerado globular Messier 55 na constelação do Sagitário. O mapa mostra a maioria das estrelas visíveis a olho nu sob boas condições de observação, estando o aglomerado propriamente dito assinalado com um círculo vermelho. Este aglomerado globular pode ser facilmente observado através de um pequeno telescópio ou binóculos. Crédito: ESO, IAU and Sky & Telescope

Ser constituídas principalmente de hidrogênio é uma característica que distingue as estrelas residentes em aglomerados globulares relativamente a estrelas formadas em eras mais tardias, como o nosso Sol, que é composto de elementos mais pesados criados pelas primeiras gerações de estrelas. O Sol acendeu-se há cerca de 4.6 bilhões de anos, o que o torna duas vezes mais novo do que as estrelas mais velhas existentes na maioria dos aglomerados globulares. A composição química da nuvem a partir da qual se formou o Sol reflete-se na abundância dos elementos químicos encontrados por todo o Sistema Solar – nos asteróides, nos planetas e também nos nossos próprios corpos.

Os observadores celestes podem encontrar Messier 55 na constelação do Sagitário. Este aglomerado estelar particularmente grande aparece no céu com quase dois terços do tamanho da Lua Cheia e não é nada difícil de observar através de um pequeno telescópio, embora esteja situado a uma distância de cerca de 17 000 anos-luz da Terra.

O astrônomo francês Nicolas Louis de Lacaille notou pela primeira vez este grupo estelar por volta de 1752 e cerca de 26 anos mais tarde outro astrônomo francês, Charles Messier, incluiu-o no seu famoso catálogo astronômico sob o número 55. Este objeto também se encontra com o nome NGC 6809 no New General Catalogue, um catálogo astronômico mais extenso e muitas vezes citado, criado no final do século XIX.

Esta imagem de campo largo, no visível, da região em torno de Messier 55 foi criada a partir de fotografias tiradas com os filtros azul e vermelho, que fazem parte do rastreio Digitized Sky Survey 2. O aglomerado globular aparece no centro. O campo de visão mede cerca de 2.7 graus de um lado ao outro. Crédito: ESO and Digitized Sky Survey 2

A nova imagem foi obtida no infravermelho pelo telescópio VISTA (Visible and Infrared Survey Telescope for Astronomy, eso0949) de 4.1 metros, situado no Observatório do Paranal do ESO, no norte do Chile.

Além das estrelas do Messier 55, esta imagem VISTA mostra também muitas galáxias que se encontram muito mais distantes que o aglomerado. Uma galáxia espiral particularmente proeminente, vista de perfil, aparece na região superior direita do centro da imagem. 

Fonte:

http://www.eso.org/public/brazil/news/eso1220/

Sérgio Sacani

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo

Instagram

Error validating access token: The session has been invalidated because the user changed their password or Facebook has changed the session for security reasons.