Vanguard 1 – O Objeto Humano mais Antigo em Órbita

Por: Ned Oliveira

O satélite Vanguard I, lançado com sucesso em 17 de março de 1958, é agora o objeto fabricado mais antigo em órbita.

Já não está transmitindo, mas está em uma órbita terrestre baixa (LEO) altamente estável com todas as perspectivas de permanecer lá por talvez mais 600 anos.

É um testemunho físico do período momentâneo em que os humanos se arriscaram pela atmosfera.

Apesar de não ter sido o primeiro na “corrida espacial”, o Project Vanguard é reconhecido como “o progenitor de toda a exploração espacial americana hoje”.

Por exemplo, a rede Minitrack, criada para a Vanguard, tornou-se a espinha dorsal da Rede de Rastreamento de Satélites e de Aquisição de Dados da NASA usada para rastrear toda a geração inicial de satélites.

Embora tenha sido concebido como um satélite científico pacífico, também foi uma arma ideológica, uma “exibição visível de proeza tecnológica” visando manter a confiança do mundo livre e conter a expansão comunista.

O design e a missão da Vanguard refletem os modelos concorrentes de cooperação e confrontação no espaço, em um momento em que não havia regras, leis ou diretrizes para estruturar a interação humano-órbita.

É agora o único dos satélites iniciais a permanecer na LEO. Além da significância nos níveis estético, histórico e social, o Vanguard 1 também é o único objeto que pode nos dizer o que acontece com os materiais quando expostos ao ambiente LEO por 60 anos.

 

Créditos da imagem: NASA

Fonte: http://zoharesque.blogspot.com.br/2018/03/the-cultural-significance-of-vanguard-1.html?m=1

 
Sérgio Sacani

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo

Instagram

Error validating access token: The session has been invalidated because the user changed their password or Facebook has changed the session for security reasons.