fbpx

Telescópio Espacial Spitzer da NASA Detecta Chuva de Cometas em Sistema Estelar Próximo

Concepção artista ilustra uma tempestade de cometas em torno de uma estrela perto da nossa, chamada Eta Corvi. Evidência para esse bombardeio vem do Telescópio Espacial Spitzer da NASA, cujos detectores de infravermelho captaram indícios de que um ou mais cometas recentemente foram rasgados em pedaços depois de terem colidido com um rochoso. Crédito da imagem: NASA / JPL-Caltech


O Telescópio Espacial Spitzer da NASA detectou sinais de uma chuva de corpos gelados em um sistema alienígena solar. A chuva lembra o nosso próprio sistema solar vários bilhões de anos atrás, durante um período conhecido como “Bombardeio Pesado Tardio”, que pode ter trazido água e outros ingredientes formadores de vida para a Terra.

Durante essa época, cometas e outros objetos gelados que foram arremessados ??do sistema solar exterior golpeando os planetas interiores. O bombardeio deixou marcas na nossa Lua e produziu grandes quantidades de poeira.

Agora Spitzer detectou uma faixa de poeira em torno de uma estrela próxima brilhante no céu do norte chamada Eta Corvi que fortemente se ajusta ao conteúdo de um cometa gigante obliterado. Essa poeira está localizada perto o suficiente da Eta Corvi de modo que mundos semelhantes à Terra possam existir, sugerindo que ali ocorreu uma colisão entre um planeta e um ou mais cometas. O sistema Eta Corvi tem aproximadamente um bilhão de anos, o que de acordo com os pesquisadores é a idade correta para esse tipo de chuva de granizo cósmica.

“Nós acreditamos que temos evidência direta para que esteja ocorrendo algo semelhante ao “Bombardeio Pesado Tardio” no sistema estelar próximo da Eta Corvi, que pode estar acontecendo aproximadamente na mesma época em que aconteceu no nosso Sistema Solar”, disse Carey Lisse, cientista de pesquisa sênior no Applied Physics Laboratory da Johns Hopkins University , em Laurel , Maryland, e principal autor de um artigo detalhando as descobertas. Os resultados serão publicados no Astrophysical Journal. Lisse apresentou os resultados na reunião Signposts of Planets que aconteceu no Goddar Space Flight Center da NASA, hoje, 19 de Outubro de 2011.

Os astrônomos usaram detectores infravermelhos do Spitzer para analisar a luz que vem da poeira em torno da Eta Corvi. Impressões digitais químicas determinadas foram observadas, incluindo àquelas relacionadas com o gelo de água, com elementos orgânicos e rochas, indicando que a fonte seria um cometa gigante.

A assinatura de luz emitida pela poeira em torno da Eta Corvi também lembra a assinatura do meteorito Almahata Sitta , que caiu na Terra em fragmentos em todo o Sudão em 2008. As semelhanças entre o meteorito e o objeto destruído em Eta Corvi implicam num local de nascença comum em seus respectivos sistemas solares.

Um segundo anel, mais massivo de poeira mais fria localizado na borda mais distante do sistema Eta Corvi parece ser o ambiente adequado para um reservatório de corpos cometários. Este anel brilhante, descoberto em 2005, localiza-se a uma distância igual a 150 vezes a distância da Terra ao Sol da Eta Corvi. Nosso sistema solar tem uma região similar, conhecida como Cinturão de Kuiper, onde restos de gelo e rochas da formação de planetas sobrevivem. Os novos dados do Spitzer sugerem que o meteorito Almahata Sitta pode ter se originado no nosso próprio Cinturão de Kuiper.

O Cinturão de Kuiper era o lar de um número muito maior desses corpos congelados, chamada de objetos do Cinturão de Kuiper. Cerca de 4 bilhões de anos atrás, cerca de 600 milhões de anos após a formação do nosso sistema solar, acreditam os cientistas que o Cinturão de Kuiper foi perturbado por uma migração do gás dos planetas gigantes Júpiter e Saturno. Esta mudança dissonante em equilíbrio gravitacional do sistema solar dispersou os corpos gelados no Cinturão de Kuiper, atirando a grande maioria para o espaço interestelar e produzindo uma poeira fina no cinturão. Alguns objetos do Cinturão de Kuiper, no entanto, foram colocados em trajetórias que cruzavam as órbitas dos planetas interiores.

O bombardeio resultante de cometas durou até 3,8 bilhões de anos atrás. Depois de cometas terem se chocado com o lado da Lua que fica de frente para a Terra, o magma escoou para fora da crosta lunar, finalmente se resfriando e formando assim os mares escuros. Quando visto contra a áreas mais claras em torno da superfície lunar, os mares formam a famosa visão do Homem na Lua. Os cometas também atingiram a Terra ou se incendiaram na atmosfera, e acredita-se tenham sido os responsáveis pela deposição de água e carbono em nosso planeta. Este período de impactos poderia ter ajudado a formar de vida, oferecendo seus ingredientes cruciais.

“Nós achamos que o sistema Eta Corvi deve ser estudado em detalhe para se saber mais sobre a chuva de cometas e outros objetos que podem ter sido os responsáveis pelo início da vida no nosso planeta”, disse Lisse.

O Laboratório de Propulsão a Jato da NASA em Pasadena, Califórnia, administra a missão Spitzer para o Science Mission Directorate da agência em Washington. Operações científicas são conduzidas no Centro de Ciência Spitzer no Instituto de Tecnologia da Califórnia em Pasadena. O Caltech gerencia o JPL da NASA.

Para mais informações sobre Spitzer, visite http://spitzer.caltech.edu/ e http://www.nasa.gov/spitzer.

Fonte:

http://www.jpl.nasa.gov/news/news.cfm?release=2011-322&cid=release_2011-322&msource=11322&tr=y&auid=9719493


Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .