Telescópio Espacial Hubble Observa As Profundezas Escondidas da Messier 77

Hubble image of Messier 77

observatory_150105O Telescópio Espacial Hubble das Agências Espaciais NASA e ESA capturou essa vivida imagem da galáxia espiral Messier 77, uma das mais famosas e mais bem estudadas galáxias de todo o céu. Os pedaços vermelhos através da imagem destacam bolsões de formação de estrelas ao longo dos braços em rotação, com linhas escuras de poeira se esticando através do centro energético da galáxia.

A Messier 77 é uma galáxia na constelação de Cetus, localizada a aproximadamente 45 milhões de anos-luz de distância da Terra. Também conhecida como NGC 1068, ela é uma das mais famosas e mais bem estudadas galáxias. Ela é uma verdadeira estrela entre as galáxias, com mais artigos escritos sobre ela do que todas as outras galáxias somadas.

Apesar de sua atual fama, e sua impressionante aparência espiral, a galáxia tem sido vítima de um problema de identidade algumas vezes; quando ela foi descoberta inicialmente em 1780, a distinção entre as nuvens de gás e as galáxias não era conhecida, fazendo com que o seu descobridor Pierre Méchain errasse a sua verdadeira natureza e a classificasse como uma nebulosa. Ela foi erroneamente classificada novamente quando ela foi subsequentemente listada no Catálogo Messier como um aglomerado estelar.

Wide-field image of Messier 77 (ground-based image)

Agora, contudo, ela é definitivamente categorizada como uma galáxia espiral barrada, com braços espirais soltos e um bulbo central relativamente pequeno. Ela é o exemplo mais próximo e mais brilhante de uma classe particular de galáxias conhecida como Galáxias Seyfert, galáxias que são repletas de gás quente altamente ionizado que brilha intensamente emitindo intensa radiação.

A forte radiação como essa é conhecida por vir do coração da Messier 77, causada por um buraco negro muito ativo que tem aproximadamente 15 milhões de vezes a massa do Sol. O material é degradado em direção ao buraco negro e o circula, aquecendo e então brilhando intensamente. Essa região da galáxia, sozinha, embora comparativamente pequena, pode ser dezenas de milhares de vezes mais brilhante do que uma galáxia normal.

Embora não tenha como competir com o intenso centro, os braços espirais da Messier 77 são também regiões muito brilhantes. Pontuando cada braço ao longo de toda a sua extensão estão nós de aglomerações vermelhas, um sinal de que novas estrelas estão se formando. Essas estrelas bebês brilham fortemente, ionizam o gás próximo que então brilha com uma coloração vermelha forte como visto na imagem acima. As linhas de poeira se esticam através dessa imagem e aparecem com uma coloração vermelha amarronzada devido ao fenômeno conhecido como avermelhamento, ou seja, a poeira absorve mais luz azul do que a luz vermelha, realçando sua aparência avermelhada.

Fonte:

http://www.spacetelescope.org/news/heic1305/

alma_modificado_rodape105

Sérgio Sacani

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo