Sonda Rosetta Inicia Processo de Aproximação Final ao Cometa 67P/Churymov-Gerasimenko


Comet_on_23_August_2014_-_NavCam


observatory_150105Faz algum tempo que não posto imagens do cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko feitas pela sonda Rosetta. O ponto principal é que todos os esforços da sonda nesse momento estão voltados para a escolha do local de pouso do módulo Philae. As imagens da NAVCAM continuam sendo feitas. A NAVCAM, ou câmera de navegação é crucial para que a sonda possa navegar ao redor do cometa, mas ao mesmo tempo, a maneira com a qual as imagens têm sido feitas tem mudado.

Até então, cada imagem feita pela NAVCAM cobria o cometa como um todo, em um único shot, mas agora, a sonda Rosetta se encontra a 50km de distância do cometa, o núcleo está muito perto e não cabe totalmente no campo de visão da NAVCAM, e a cada dia que passa a sonda ficará mais perto gerando imagens cada vez mais detalhadas do núcleo do Churyumov-Gerasimenko. Como resultado, no último sábado, dia 23 de Agosto de 2014, iniciou-se um novo processo de aquisição de imagens feitas com a NAVCAM, de modo que apenas um quarto do cometa pode ser visto no canto de cada uma de quatro imagens. Um exemplo dessas imagens é mostrado aqui nesse post, como imagem principal, com uma resolução de 512 x 512 pixels, essa imagem foi feita a uma distância de 61 km do cometa (a imagem completa com resolução de 1024 x 1024 pixels, é mostrada abaixo). A essa distância, os detalhes de pequena escala da superfície começam a se tornar mais claros e evidentes.

O objetivo principal da NAVCAM é a navegação e as suas imagens são usadas pelo ESOC para identificar e ajustar o local das marcas no cometa em diferentes tempos. Essa informação é então alimentada dentro do processo de navegação para melhorar a determinação da órbita. Uma técnica é usada para garantir que o cometa está sempre sendo visto pela sonda e compensa para qualquer incerteza na trajetória da sonda perto do cometa. As quatro imagens cobrem a incerteza em apontar e garantir que o cometa está sendo sempre observado, e que no mínimo uma das imagens é suficiente para mostrar a superfície do cometa e realizar o reconhecimento das marcas na superfície.

Enquanto a Rosetta é levemente reapontada para cada imagem, existe um intervalo de tempo de cerca de 20 minutos entre a primeira e a última imagem feita em cada sequência de quatro imagens. Nesse tempo, a sonda Rosetta se movimenta e o cometa rotacional, mudando a aparência das feições e das sombras levemente. Isso complica um pouco o processo de compor imagens e nenhum software foi desenvolvido até o momento para fazer isso, já que as imagens individuais não precisam ser coladas para encontrar as necessidades de navegação.

A imagem aqui postada tem o objetivo de ilustrar essa mudança nas operações da NAVCAM. Num futuro próximo, mais imagens feitas pela NAVCAM serão postadas, mas o número e a frequência podem variar dependendo das atividades de navegação para um determinado dia.


ROSETTA_NAVCAM_20140823


Fonte:

http://blogs.esa.int/rosetta/2014/08/27/cometwatch-update/

alma_modificado_rodape105

Sérgio Sacani

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo

Instagram

Error validating access token: The session has been invalidated because the user changed their password or Facebook has changed the session for security reasons.