Sonda OSIRIS-REx Da NASA Faz Sua Maior Aproximação do Asteroide Bennu

A sonda OSIRIS-REx da NASA está ficando a cada dia que passa mais perto de seu alvo. A sonda chegou no asteroide Bennu no final de 2018, e desde então vem estudando o objeto, procurando um local para fazer a coleta da amostra que será enviada para a Terra. O local já foi escolhido, e agora é hora de ensaiar, ou seja, fazer a sonda chegar bem perto do Bennu, para poder testar e treinar as manobras necessárias para a coleta da amostra.

A OSIRIS-REx, que significa Origins, Spectral Interpretation, Resource Identification, Security-Regolith Explorer, tem como objetivo principal coletar uma amostra do asteroide Bennu e enviar essa amostra para a Terra, para que ela seja estudada em detalhes.

A equipe da OSIRIS-REx, selecionou cuidadosamente o local onde a sonda irá coletar a amostra do asteroide. Quando a sonda chegou no Bennu, a NASA descobriu que ele era muito mais complexo e desafiador do que se pensava até então. Apesar da superfície conter uma abundância de material com o tamanho correto para que o mecanismo de coleta de amostras da sonda possa funcionar bem, existem alguns obstáculos para serem evitados.

A equipe então, selecionou 4 locais potenciais para realizar a coleta de amostras. Eles então sobrevoaram esses locais mais vezes, para que pudessem ter certeza da escolha.

Assim, eles escolheram dois locais, um local que é chamado de primário, ou seja, a primeira escolha para realizar a coleta da amostra, e um outro local, que é o local backup, ou seja, caso alguma coisa dê errado com o local primário eles já têm um plano B. Os locais receberam nomes de aves, e assim, o local primário ficou conhecido como Nightingale e o local secundário ficou conhecido como Osprey.

No processo de escolha do local de coleta de amostras, a equipe da sonda OSIRIS-REx dividiu o processo em 3 fases, chamadas de Recon A, B e C. Durante cada fase, a sonda chegou cada vez mais perto do asteroide, obtendo cada vez mais detalhes sobre os 4 locais previamente selecionados.

As fases Recon A e B, foram usadas para selecionar o local de coleta, e agora com o local já selecionado, no dia 3 de março de 2020, a sonda realizou a fase Recon C, quando ela passou a apenas 250 metros acima do Nightingale.

A sonda fica numa órbita segura do asteroide de 1 km de distância, mas no dia 3 de março, por cinco horas ela deixou o seu local de segurança para explorar mais de perto o asteroide. O Nightingale é uma cratera, com cerca de 16 metros de largura. Durante a manobra, todos os instrumentos científicos d sonda estavam apontados para o local de coleta.

Embora todos os instrumentos científicos estivessem em operação, esse sobrevoo foi feito para testar o imageador, chamado PolyCam. A PolyCam é um telescópio de 8 polegadas, e quanto mais perto ele estiver do Bennu, imagens de mais alta resolução serão adquiridas.

Depois desse sobrevoo próximo ao Bennu, a sonda retornou para a sua posição de segurança, só que do lado oposto do asteroide. Agora ela se prepara para a próxima grande manobra, o ensaio da coleta de amostra.

A equipe da OSIRIS-REx irá realizar dois ensaios de coleta, e o primeiro está marcado para o dia 15 de abril de 2020. A sonda irá chegar mais perto ainda do Bennu, a apenas 125 metros de distância da sua superfície.

A essa distância a sonda irá realizar o que se chama de manobra do checkpoint. Ela irá descer, chegando mais perto ainda do Nightingale, e depois de 10 minutos, chegará a uma distância de apenas 50 metros. Ela então irá parar começar o seu voo de retorno para o local de segurança.

Então, em junho de 2020, a OSIRIS-REx irá realizar o segundo ensaio. Mas dessa vez, ela vai chegar mais perto ainda, entre 25 e 40 metros de distância do asteroide, antes de voltar para o seu ponto de segurança.

À medida que a OSIRIS-REx realiza cada uma dessas aproximações, mais e mais dados do local de coleta de amostra são adquiridos. Esses ensaios servem também para treinar o chamado Natural Feature Tracking, ou NFT. O sistema NFT usa imagens da superfície do Bennu para se auto-guiar, comparando imagens a bordo da sonda com imagens feitas em tempo real, ela usa esse sistema para evitar obstáculos e locais perigosos e assim acertar o ponto de coleta de amostra com precisão.

A coleta da amostra do asteroide Bennu está programada para acontecer em agosto de 2020. Nesse momento, a sonda irá chegar tão perto do asteroide que o seu mecanismo de coleta irá tocar a superfície. Então ela irá explodir uma carga de gás nitrogênio, isso irá levantar poeira do asteroide, ou seja, levantar o seu regolito, e o mecanismo de coleta irá adquirir a amostra. Depois disso, a sonda volta para o seu local de segurança.

Os operadores da sonda não ficaram surpresos caso o sistema NFT da sonda cancele a tentativa de coleta. A sonda OSIRIS-REx pode realizar múltiplas tentativas de coleta de amostras, então não é preciso se comprometer com uma descida que possa causar danos na nave e que não seja 100% segura.

Se a primeira tentativa falhar, a sonda OSIRIS-REx, pode tentar uma nova coleta no próprio Nightingale, ou migrar para o local de backup, o Osprey.

Se tudo correr bem, a OSIRIS-REx coleta a amostra, que irá então retornar para a Terra dentro da Sample Return Capsule, ou SRC, ela irá entrar pela atmosfera da Terra, acionar seus paraquedas e então tocar a superfície do nosso planeta. Todos esperam que a cápsula pouse sem problemas no Utah Testing and Training Range, onde será resgatada, e aí, toda a ciência irá realmente começar, com a análise da amostra trazida direto do Bennu.

Fonte:

https://www.sciencealert.com/nasa-s-osiris-rex-just-flew-250-meters-above-its-sampling-site

Sérgio Sacani

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo

Instagram

Error validating access token: The session has been invalidated because the user changed their password or Facebook has changed the session for security reasons.