Satélites de Júpiter Deixam Marcas Nas Auroras do Planeta – Space Today TV Ep.1354

—————————————————————————–

**** CONHEÇA A LOJA OFICIAL DO SPACE TODAY!

http://www2.spacetodaystore.com

Camisetas, e muitos produtos para vocês. Visite!

—————————————————————————–

**** VAKINHA DOS ALUNOS DE PÓS EM ASTRONOMIA DA USP!

https://www.vakinha.com.br/vaquinha/astronomos-da-usp-precisam-de-apoio-para-ir-ao-observatorio-eso

AJUDE O FUTURO DA ASTRONOMIA NO BRASIL!!!

—————————————————————————–

**** TWITTER DO PROFESSOR JORGE MELENDEZ DA USP – SIGA AGORA!!!

https://twitter.com/DrJorgeMelendez

—————————————————————————–

Nós sabemos que no Sistema Solar, além da Terra, outros planetas também apresentam auroras.

Elas já foram observadas em Júpiter e em Saturno.

Embora sejam parecidas em aparência com as auroras da Terra, as auroras de Júpiter tem diferenças cruciais principalmente na sua formação.

Na Terra, a aurora é formada quando partículas carregadas do vento solar, chegam até o nosso planeta e interagem com a nossa magnetosfera, em Júpiter, é diferente, as auroras são formadas pela interação de partículas carregadas da própria magnetosfera do planeta que é muito intensa, ou seja, Júpiter não precisa do Sol para ter suas auroras.

Outra característica que sempre intrigou os cientistas planetários que estudavam Júpiter, é que as auroras não eram uma estrutura única como são na Terra, elas apresentavam um tipo estruturação de pequena escala, e quando se observava as auroras mais de perto ainda, essas estruturas ficavam cada vez mais complexas.

Os pesquisadores sempre associaram essas estruturas às influências dos satélites Io e Ganimedes.

Mas agora, com a sonda Juno lá perto, eles puderam estudar esse comportamento em detalhe.

Io, possui um campo magnético que se conecta com a magnetosfera de Júpiter, e à medida que Io se move ao redor de Júpiter ele cria ondas na magnetosfera do planeta, essas ondas, ou seja, a interação entre os dois campos magnéticos gera então os vórtices observados nas auroras de Júpiter.

Júpiter não é o único planeta onde a aurora sofre a influência de satélites naturais, isso também acontece com Encélado em Saturno.

Com a Juno, foi a primeira vez que os cientistas puderam observar esse comportamento nas auroras de Júpiter em detalhe e estudar o processo que o gera.

Esse estudo é muito importante pois faz com que possamos entender cada vez mais e melhor os campos magnéticos que existem pelo Sistema Solar, e entender também o interior de Júpiter.

Lembrando que é estudando as variações observadas no campo magnético de Júpiter que a sonda Juno vai poder responder uma das perguntas mais intrigantes do nosso sistema, será que Júpiter possui um núcleo e se possui como ele é?

Outros dados da sonda Juno ainda serão integrados no futuro para melhorar ainda mais o entendimento desse maravilhoso fenômeno.

Fonte:

https://gizmodo.com/jupiters-moons-leave-signature-spots-in-its-aurorae-1827363383

Sérgio Sacani

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo

Instagram

Error validating access token: The session has been invalidated because the user changed their password or Facebook has changed the session for security reasons.