fbpx

RADIAÇÃO HAWKING É SIMULADA EM BURACO NEGRO SÔNICO | SPACE TODAY TV EP.1844

PARA SE INSCREVER NO EVENTO COMEMORATIVO DOS 50 ANOS DO HOMEM NA LUA QUE ACONTECERÁ EM SÃO PAULO EM 21 DE JULHO DE 2019 ACESSE:

https://www.sympla.com.br/50-anos-do-homem-na-lua__541173

——————————————————————————-

SPACE TODAY STORE:

https://www.spacetodaystore.com

——————————————————————————-

Para fazer parte do seleto grupo dos apoiadores!!!

https://www.youtube.com/channel/UC_Fk7hHbl7vv_7K8tYqJd5A/join

——————————————————————————-

Stephen Hawking, propôs uma das teorias mais intrigantes de que temos conhecimento.

Para Hawking, os buracos negros não eram tão negros assim.

Isso quer dizer que, para ele, um fluxo de partículas relativamente pequeno escapa do buraco negro.

Esse fluxo, escapa com uma temperatura que depende da massa do buraco negro.

Essa, de forma simplificada, é a explicação para o que conhecemos como Radiação Hawking.

Porém, não conseguimos medir essa radiação em buracos negros reais, e por isso essa acaba sendo uma das teorias mais controversas da física moderna.

Mas, quem trabalha com ciência, sabe que você pode usar experimentos análogos para medir algo que você não consegue medir na vida real.

E foi isso que um grupo de físicos fez, criou o análogo a um buraco negro para tentar comprovar a Radiação Hawking.

Para reproduzir o buraco negro, os pesquisadores usaram átomos ultrafrios de rubídio, congelados até o estado conhecido como condensado de Bose-Einstein, e os colocaram para fluir.

De forma análoga à gravidade que prende a luz num buraco negro, os átomos nesse caso prendem as ondas de som e não as deixam escapar.

Na radiação Hawking pares de partículas quânticas que aparecem aos pares e normalmente se aniquilam, na borda de um buraco negro não, enquanto uma cai no buraco negro, a outra escapa.

Nesse buraco negro sônico, acontece a mesma coisa, um par de ondas sonoras conhecida como finos pode aparecer, com uma caindo no buraco negro e a outra escapando.

Com isso, foi possível medir a temperatura dos fónons que escapam, e a temperatura foi de 0.35 bilionésimos de kelvin.

Esse resultado está totalmente de acordo com a previsão feita na teoria de Stephen Hawking.

Quando Hawking propôs sua teoria, surgiu um dos paradoxos mais interessantes da ciência, o chamado Paradoxo da Informação.

Se considerarmos a mecânica quântica, a informação nunca pode ser destruída, porém com as partículas escapando vagarosamente de um buraco negro, depois de um longo período de tempo, o buraco negro desapareceria e com ele as informações.

Ou seja, tudo que caiu no buraco negro não estaria mais ali, sugerindo que a informação possa ser perdida à medida que o buraco negro evapora, violando a mecânica quântica.

Esse experimento provavelmente ainda não resolve o problema do paradoxo da informação.

A solução para ele provavelmente está quando a gravidade e a mecânica quântica forem combinadas numa teoria de gravidade quântica, o que é há muito tempo algo desejado pelos físicos.

O problema é que nesse experimento, temos um buraco negro sônico e não um com gravidade, ou seja, para isso, teremos que aprender muito sobre os buracos negros da vida real.

Mas por enquanto já está ótimo, esse experimento mostra que a radiação de Hawking pode mesmo existir!!!

#RadiacaoHawking #BuracosNegros

Fontes:

https://www.sciencenews.org/article/first-scientists-took-temperature-sonic-black-hole

https://arxiv.org/pdf/1809.00913.pdf

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo