O Longo Período de Aquecimento da Lua

Os cientistas têm amostras de rochas lunares recolhidas dos 6 locais de pouso das missões Apollo e de 3 pousos bem sucedidos das missões Luna que conseguiram retornar essas amostras para a Terra. A partir dessas amostras sabemos a idade de formação das rochas em 9 lugares na Lua, embora haja alguma incerteza sobre a data do  evento geológico de cada uma dessas amostras. Mesmo assim, ou seja, sabendo a idade somente de locais pontuais na Lua, o mapa acima se propõem a mostrar a idade de quase todos os mares lunares (exceto para Crisium). Isso é possível através do processo conceitualmente simples de contagem das crateras de impacto em superfícies de fluxo de lava. As formas estranhas de diferentes cores e idades de rochas existem porque a contagem é segregada a áreas que parecem ter assinaturas quimicamente homogêneas, provas de que as rochas podem ser uma única unidade eruptiva. Este mapa combina a datação da idade por contagem de crateras de Harry e Hiesinger e seus colegas com a contagem mais recente de partes de mares feitas por cientistas japoneses usando a câmera de alta resolução Terrain da sonda Kaguya. Tente interpretar a distribuição de lavas de diferentes idades e em seguida, volte para ler o resto da história.

A maior parte da área colorida é azul, o que significa que grande parte dos mares lunares têm idade aproximada entre 3,8 e 3,0 bilhões de anos. Lavas velhas são mais comumente exposta no mar oriental, e as mais jovens são em grande parte restritas aos mares ocidentais, essencialmente o mar Imbrium e a parte ocidental do mar Procellarum. A mais de 2.5 bilhões de anos atrás o vulcanismo parece ter migrado do leste (Marginis e Australe) para sudoeste. Mas este pode ser um efeito de seleção. Pequenas manchas de lavas velhas (azul) lavas se destacam para fora em torno das bordas de lavas mais jovem e, presumivelmente, estão enterrados debaixo delas. A conclusão mais provável é que lavas mais velhas ocorrem no interior das bacias em todos os lugares, mas as lavas mais jovens surgem preferencialmente apenas no oeste, escondendo lavas mais velhas nessas áreas. Morota e seus colegas destacam que as lavas  mais jovens estão restritas à parte interna do chamado PKT, o Procellarum Terrain KREEP, que é anormalmente rico em elementos radioativos, talvez prolongando derretimento do manto parando depois em outro lugar. Observe que nas bacias lunares formadas antes de 3,8 bilhões de anos a maior parte das lavas está não está relacionada com a energia do impacto que formou as bacias, mas sim, provavelmente, com o aquecimento radioativo que derreteu o manto a mais de 2,5 a 3,0 bilhões de anos.  Erupções vulcânicas continuaram a acontecer na Lua até cerca de 1,5 bilhões de anos atrás. Infelizmente, nós seres humanos aparecemos na Terra um pouco tarde para testemunhar tais acontecimentos.

Fonte:

https://lpod.wikispaces.com/April+28%2C+2012

Sérgio Sacani

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo

Instagram

Error validating access token: The session has been invalidated because the user changed their password or Facebook has changed the session for security reasons.