O Asteroide Ida e Sua Lua

243_ida

observatory_150105Essa imagem colorida foi montada a partir de imagens feitas pelas câmeras da sonda Galileo aproximadamente 14 minutos antes de sua aproximação mais próxima do asteroide 243 Ida, em 28 de Agosto de 1993. A distância da nave era de aproximadamente 10500 quilômetros. As imagens usadas são de uma sequência onde a lua de Ida foi originalmente descoberta, a lua pode ser visível à direita do asteroide. Essa imagem foi feita a partir de outras imagens obtidas através do filtro de 4100 angstrom (violeta), 7560 A (infravermelho) e do 9680 A (infravermelho). A cor é realçada no senso de que a câmera CCD é sensível aos comprimentos de onda do infravermelho próximo da luz que vai além da visão humana, uma imagem em cor natural do asteroide apareceria cinza em sua maior parte. As tonalidades nessa imagem indicam mudanças no ângulo de iluminação de muitos taludes íngremes da superfície irregular do corpo, bem como as sutis variações de cores devido às diferenças no estado físico e na composição do solo, o regolito. Existem áreas mais brilhantes, que aparecem mais azuladas nessa imagem, ao redor das crateras na parte superior esquerda do Ida, ao redor da pequena cratera brilhante perto do centro do asteroide, e perto da borda superior direita (limbo).

Essa é uma combinação da luz azul mais refletida e a maior absorção da luz do infravermelho próximo, sugerindo uma diferença na abundância ou na composição de minerais de ferro nessas áreas. A lua de Id também tem uma profunda absorção no infravermelho próximo e uma diferente coloração no violeta do que qualquer área desse lado de Ida. A lua não é idêntica em propriedades espectrais a qualquer área de Ida na imagem aqui, apesar de sua similaridade geral em refletância e no tipo espectral geral sugerindo que ele é feito basicamente do mesmo tipo de rocha. Esses dados, combinados com estudos posteriores e dados de imagens posteriores e de espectros mais detalhados obtidos pelo Near Infrared Mapping Spectrometer , pode permitir os cientistas determinarem se o grande corpo do qual Ida, sua lua e alguns outros asteroides são fragmentos de um objeto diferenciado e aquecido, ou de material condrítico primitivo e relativamente não alterado.

Fonte:

http://www.wired.com/wiredscience/2013/01/space-photo-of-the-day-2/?pid=6819

alma_modificado_rodape105

Sérgio Sacani

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo