Nebulosa do Caranguejo em Ultravioleta

Por: Ned Oliveira

A Nebulosa do Caranguejo é um remanescente de supernova a cerca de 6500 anos-luz da Terra na constelação de Touro. No centro da nebulosa há um pulsar, o remanescente de uma estrela que explodiu para formar a nebulosa. O pulsar gira em torno de 30 vezes por segundo, varrendo um feixe de ondas de rádio através da Galáxia.

Alguns dos materiais que cercam o pulsar foram ejetados antes da estrela explodir, e o resto foi expulso durante a supernova. O vento do pulsar escapa a alta velocidade, criando uma estrutura dinâmica ao interagir com o material ejetado.

A nebulosa está em expansão em cerca de 1500 km/s, como revelado por imagens tiradas alguns anos de distância. Ao traçar isso, é possível identificar o ano em que a estrela explodiu, e isso coincide com observações de astrônomos chineses a SN 1054 de uma estrela brilhante o suficiente para ser vista durante a luz do dia.

A imagem mostrada aqui está em luz ultravioleta tomada pelo telescópio XMM-Newton da ESA, que tem examinado o céu desde 2000.

Embora este seja principalmente um telescópio para observar raios-X, o Monitor Óptico permite que as observações ópticas e ultravioletas sejam feitas simultaneamente com Observações de raios-X.

A imagem é um composto de 75 imagens individuais tomadas entre 2001 e 2015. Poucas imagens ultravioletas da Nebulosa do Caranguejo estavam disponíveis antes desta.

Parece que a emissão ultravioleta vem da “radiação sincrotrona”, criada quando as partículas atômicas se espelham em torno de linhas de campo magnético. ( A luz, ou radiação, síncrotron é um tipo de radiação eletromagnética de alto fluxo e alto brilho que se estende por uma faixa ampla do espectro eletromagnético desde a luz infravermelha, passando pela radiação ultravioleta e chegando aos raios X. Ela é produzida quando partículas carregadas, aceleradas a velocidades próximas à velocidade da luz, têm sua trajetória desviada por campos magnéticos.)

A imagem XMM-Newton revela “aberturas” que recuam os lados leste e oeste da nebulosa.

Pensa-se que um registro magnetizado de material cercou a estrela antes de explodir, o que bloqueou as partículas de alta velocidade e, portanto, a radiação sincrotrona.

As aberturas também são evidentes em imagens de rádio , embora a abertura oriental seja melhor definida devido a características intrincadas em torno das bordas da imagem de rádio.

Esta imagem foi tomada como parte do estudo detalhado de multi-comprimento de onda da Nebulosa do Caranguejo, com imagens também tomadas em raios-X, ondas de rádio, infravermelhos e comprimentos de ondas ópticas.

Um novo compósito da Nebulosa do Caranguejo que inclui dados do Chandra e Spitzer (NASA), e dados do Hubble (NASA/ESA) também foi lançado na semana passada.

Créditos da imagem: ESA

Fonte: https://m.esa.int/spaceinimages/Images/2018/03/Crab_Nebula_in_ultraviolet

Sérgio Sacani

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo

Instagram

Error validating access token: The session has been invalidated because the user changed their password or Facebook has changed the session for security reasons.