NASA Precisa de Ajuda para Encontrar STEVE

Por: Ned Oliveira

Brilhando em cores principalmente roxas e verdes, um novo fenômeno celeste desperta o interesse de cientistas, fotógrafos e astronautas.

Inicialmente descoberta por um grupo de cientistas cidadãos que tiraram fotos das luzes incomuns e as chamaram de “Steve”.

Os cientistas já aprenderam mais sobre os roxos e os verdes e deram-lhe um nome mais preciso: forte aceleração térmica da velocidade de emissão, que ainda pode ser abreviado para STEVE.

Mistério de luzes roxas no céu resolvido com ajuda de cientistas cidadãos

Quando uma fina fita de luz vermelha apareceu e começou a brilhar no céu da meia-noite sobre Regina, no Canadá, em 2016, o cientista cidadão Notanee Bourassa sabia que o que ele estava vendo não era normal.

Tendo observado as luzes do norte há quase 30 anos, ele sabia que isso não era uma aurora. Era outra coisa.

Um projeto de ciência cidadã chamado Aurorasaurus, financiado pela NASA e pela National Science Foundation, quer ajuda para reunir fotos para que eles possam aprender mais sobre esse fenômeno misterioso.

Aurorasaurus rastreia aparências de auroras – e agora STEVE – em todo o mundo através de usuários enviando relatórios e fotografias.

A pesquisa sobre o STEVE está fornecendo um novo identificador visual para ajudar a rastrear os processos químicos e físicos que ocorrem no espaço próximo da Terra.

Esta informação pode, nos ajudar a entender melhor o clima espacial perto da Terra, o que pode interferir nos satélites e nos sinais de comunicação.

Se você é um astronauta, um cientista ou um observador de céu intrépido, você pode ajudar os cientistas a aprender mais sobre a aparência, o ciclo de vida e as implicações da STEVE.

O que você deveria saber se deseja ver o STEVE?

Abaixo estão as dicas do que até agora para ajudá-lo na sua caça STEVE.

STEVE aparece mais perto do equador do que o normal, muitas vezes verde, as auroras aparecem.

STEVE aparece aproximadamente 5-10 graus mais ao sul no Hemisfério Norte. Isso significa que pode aparecer sobrecarga em latitudes semelhantes a Calgary, Canadá.

O fenômeno foi relatado no Reino Unido, no Canadá, no Alasca, no norte dos Estados Unidos e na Nova Zelândia.

STEVE é um arco muito estreito, alinhado a leste-oeste, e se estende por centenas ou milhares de quilômetros.

STEVE emite principalmente luz em tons roxos.

STEVE pode durar 20 minutos a uma hora.

STEVE só foi detectado até agora na presença de uma aurora (mas as auroras geralmente ocorrem sem STEVE).

Os cientistas estão investigando para aprender mais sobre como os dois fenômenos estão conectados.STEVE só pode aparecer em certas estações.

Não foi observado de outubro de 2016 a fevereiro de 2017. Também não foi visto desde outubro de 2017 até o presente, março de 2018.

Os avistamentos de Steve (e aurora) podem ser relatados em http://www.aurorasaurus.org/ ou com os aplicativos móveis gratuitos do Aurorasaurus no Android e no iOS.

Qualquer pessoa pode se inscrever, receber alertas e enviar relatórios gratuitamente.

Créditos das imagens: © Megan Hoffman

Fonte: https://www.nasa.gov/feature/goddard/2018/nasa-needs-your-help-to-find-steve-and-heres-how

Sérgio Sacani

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo

Instagram

Error validating access token: The session has been invalidated because the user changed their password or Facebook has changed the session for security reasons.