Mapa 3D Revela A Estrutura Empoeirada da Via Láctea

Drew_3kpc_small


observatory_150105Uma equipe internacional de astrônomos criou um mapa detalhada tridimensional da estrutura empoeirada da Via Láctea – o brilhante disco repleto de estrelas da nossa galáxia – como visto do hemisfério norte da Terra. O mapa foi  apresentado pelo Prof. Janet Drew da Universidade de Hertfordshire no National Astronomy Meeting (NAM) 2014 em Portsmouth, na última segunda feira, dia 23 de Junho de 2014.

A poeira e o gás que constituem o meio interestelar, também chamado de ISM, preenche o espaço entre as estrelas nas galáxias. A poeira no ISM tem sua forma moldada pelos fluxos turbulentos que formam intrigantes estruturas fractais em escalas que variam de milhares de anos-luz a centenas de quilômetros. Ao invés de medir a própria poeira para criar o mapa, a equipe usou observações de mais de 38 milhões de estrelas para estimar quanto da luz das estrelas tem sido obscurecida pelo ISM e então quanto de poeira localiza-se na linha de visão de cada estrela. Esse mapa de “extinção” deriva do recém lançado catálogo IPHAS (Isaac Newton Telescope Photometric H-alpha Survey of Northern Galactic Plane), a primeira pesquisa digital a cobrir toda a Via Láctea no hemisfério sul da Terra.

Drew_1kpc


“Pelo fato do Sistema Solar está mergulhado no disco da Via Láctea, nossa visão dela é sufocada com a poeira, como resultado nós sabemos menos sobre sua estrutura interna do que nós sabemos sobre outras galáxias como a M31 em Andrômeda”, disse Drew, principal pesquisador da pesquisa IPHAS. “Nessa pesquisa do norte, nós estamos principalmente olhando as partes do disco galáctico que se localizam fora da órbita do Sol ao redor do centro galáctico. Esse mapa 3D demonstra de maneira mais forte do que os mapas 2D existentes que a poeira no disco externo não traça o braço espiral Perseus e outras estruturas esperadas de maneira simples”.

Drew_2kpc


O mapa mostra como a extinção cresce com relação à distância do Sol (normalmente a mais de 12000 anos-luz) em qualquer parte da porção norte da Via Láctea estudada. Detalhes em escalas angulares 7 vezes mais finas do que o tamanho angular da Lua são capturados. A natureza espectral do ISM é visível no mapa, assim como as feições de grande escala, tais como as nuvens moleculares formadoras de estrelas e as bolhas de gás ionizado ao redor dos aglomerados de estrelas quentes.

Drew_3kpc


“Nós podemos ver um número específico de feições, incluindo a Nebulosa da Rosetta, e o cinturão de formação de estrelas no Braço de Perseus da Via Láctea”, disse o Dr. Stuart Sale, que liderou a equipe que criou o mapa. “Nossa localização dentro da Via Láctea significa que nós podemos estudar o ISM em detalhes muito maiores do que para qualquer outra galáxia. O conhecimento que nós ganhamos estudando a nossa própria galáxia pode subsequentemente ser aplicado a outras”.


“O IPHAS tem sido a maior parte do programa de observações do Telescópio Isaac Newton, na última década. Ela é uma das pesquisas realizadas na terra que está começando a fornecer coleções importantes, novas e gigantescas de dados, complementando a missão Gaia da ESA que está começando o seu trabalho. O objetivo comum é revelar de maneira apropriada a completa organização espacial 3D da nossa galáxia”, finalizou Drew.


Fonte:

http://www.ras.org.uk/news-and-press/news-archive/254-news-2014/2472-3d-map-shows-dusty-structure-of-the-milky-way

alma_modificado_rodape105

Sérgio Sacani

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo

Instagram

Error validating access token: The session has been invalidated because the user changed their password or Facebook has changed the session for security reasons.