A Impressionante Cratera Maginus na Lua

Uma das descobertas dos anos de 1960 foi que não somente existiram muito mais crateras formadas na primeira metade de bilhão de anos da história lunar do que no tempo posterior, mas também que as crateras maiores se formaram depois. Isso explica o fato da Clavius, Longomontanus, Maginus e outras grandes crateras sejam comuns nas terras altas do hemisfério sul da Lua e a sua continuidade que é conhecida no lado escuro. Essas velhas crateras, como a Maginus, vista aqui, foram degradadas por impactos subsequentes que são na sua maioria preservada em seus anéis, pois seus interiores têm sido renovados por algum preenchimento mais novo. Normalmente pode-se pensar que algumas delas não foram geradas por vulcanismo de mar, mas a maior parte dos pesquisadores pensa que o preenchimento é parte de material ejetado da formação da Orientale e talvez da bacia Imbrium. Imagens de radar têm mostrado anteriormente fortes evidências para a dispersão do material ejetado da Orientale através das terras altas do sul e uma parte desse material terminou em crateras. Pode-se notar ainda nessa imagem que a parte inferior direita é mais suave e menos povoada de crateras e em pequenos pedaços através da parte inferior da imagem. Por que não encontramos coisas suaves similares no interior da Maginus?

Fonte:

https://lpod.wikispaces.com/March+2%2C+2012

Sérgio Sacani

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo

Instagram

Error validating access token: The session has been invalidated because the user changed their password or Facebook has changed the session for security reasons.