fbpx
30 de novembro de 2021
ACESSE O IMERSÃO DEV E COMECE A APRENDER A PROGRAMAR COM A ALURA, ENTRE 22 DE MARÇO E 2 DE ABRIL 10 AULAS GRATUITAS NO SEU EMAIL PARA VOCÊ SAIR DO ZERO:

http://bit.ly/imersao-alura-spacetoday

Lembram o ano passado, que a estrela Betelgeuse começou a diminuir de brilho drasticamente e todo mundo ficou preocupado com o que estava acontecendo com ela?

Alguns chegaram a dizer que ela iria explodir como supernova dentro de poucos dias, bem, nada disso, usando o Hubble e outros telescópios os astrônomos descobriram que Betelgeuse estava expelindo matéria, e isso criava uma nuvem de poeira na sua frente diminuindo o seu brilho aparente para nós aqui na Terra.

Mas Betelgeuse não é a única estrela supergigante vermelha que chama a atenção dos astrônomos não, existem outras e entre elas uma tem um destaque especial.

Seu nome VY Canis Majoris uma das maiores estrelas do universo conhecido pelo ser humano, uma estrela que é cerca de 300 mil vezes mais brilhante que o Sol, e 100 vezes mais massiva que Betelgeuse.

E se fosse colocada no sistema Solar, seu tamanho engoliria facilmente até o planeta Júpiter.

Ela é uma estrela bem desenvolvida e possui enormes erupções, na verdade erupções parecidas com as que acontecem no Sol, mas obviamente com um tamanho exsagerado, digno dessa mostuosidade de estrela.

Na época que o pessoal estava desesperado por Betelgeuse, sempre foi falado que o importante era entender o que estava acontecendo com ela para aplicar esse entendimento em outras estrelas.

Os astrônomos já usaram o hubble uma vez para estudar a VY Canis Majoris, e descobriram por exemplo quando as gigantescas erupções aconteceram com a estrela, estimando idades de algumas centenas de anos.

Agora, o estudo foi muito mais detalhado, e o spesquisdores conseguiram resolver estruturas muito mais próximas da estrela, estruturas que tem menos de um século de vida.

Os astrônomos descobriram nós ejetados pela estrela que aconteceram no século 19 e 20 e fizeram a estrela cair para magnitude 6.

A massa de alguns desses nós de matéria ejetados pela VY Canis Majoris tem cerca de o dobro da massa de Júpiter, provavelmente a origem dessa gignatesca perda de massa são as enormes células convectivas que existem dentro da estrela.

O que faz a VY Canis MAjoris especial, talvez seja o fato dela estar num estágio evolucionário único.

E nesse estágio evolucionário as ejeções de massa, o comportamento da estrela é muito complexo e difícil de ser entendido.

A grande questão agora é qual o destino da VY Canis Majoris?

Ela pode se tornar uma supernova, ou pode simplesmente colapsar diretamente se tornando um buraco negro.

Vamos acompanhar essa magnifica estrela e o seu destino, pelo menos enquanto estivermos aqui.

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo