fbpx

Grande Descoberta, Telescópio Kepler Encontra 5 Planetas

O ano começou? Será mesmo, ou só começa após o carnaval? Aliás, antes que eu me esqueça um feliz 2010 para todos que acompanham esse blog. Espero que em 2010 eu possa ser mais constante aqui, e postar temas que despertem o interesse de cada vez mais pessoas. Agora aqui entre nós, astrônomo é mesmo uma raça de malucos. O ano mal começou e muitos deles já estão reunidos essa semana no encontro da Sociedade Astronômica Americana. Nesse encontro, uma palestra chamou a atenção do mundo inteiro e rapidamente virou manchete nos mais diversos meios de comunicação. O Telescópio Espacial Kepler, um projeto da NASA desenhado especificamente para descobrir planetas no que se chama de zona habitável de uma determinada estrela, descobriu os seus primeiros 5 planetas e os resultados foram apresentados na conferência da Sociedade Astronômica Americana.

“Essas observações irão contribuir para o nosso entendimento de como sistemas planetários se formam e evoluem a partir de discos de gás e poeira que dão origem tanto as estrelas como a seus planetas”, disse William Borucki do Centro de Pesquisa Ames da NASA. Borucki é o principal cientista envolvido no projeto do Kepler e completou seu discurso. “As descobertas também irão mostrar que nossos instrumentos científicos estão trabalhando bem. Isso indica que o Kepler irá cumprir com sucesso seus objetivos científicos”.

Conhecidos como “Júpiter Quente”, pelo fato de sua alta massa e extrema temperatura, os novos planetas possuem tamanhos variados indo desde diâmetros semelhantes a Netuno até planetas maiores que Júpiter. Eles possuem uma órbita variando de 3.3 a 4.9 dias. A temperatura estimada dos planetas varia entre 2200 e 3000 graus Fahrenheit, temperatura essa superior a lava derretida e muito elevada também para abrigar a vida como conhecemos. Todos os cinco planetas descobertos orbitam estrelas mais quentes e maiores que o Sol.

“É gratificante ver as primeiras descobertas do Kepler fora do que foi planejado”, diz Jon Moprse diretor da Divisão de Astrofísica da NASA. “Nós estávamos esperando planetas do tamanho de Júpiter em órbitas curtas como sendo os primeiros planetas descobertos pelo Kepler. Agora acho que é só uma questão de tempo para o Kepler poder observar planetas menores com períodos maiores e com isso chegarmos mais perto de encontrar um planeta semelhante a Terra”.

Lançado em 6 de Março de 2009, a missão do Kepler é observar de forma continua e simultânea mais de 150000 estrelas. O instrumento científico do Kepler, ou fotômetro, já mediu centenas de assinaturas de possíveis planetas que estão sendo analisadas.

Enquanto que muitas dessas assinaturas são reportadas como pequenas estrelas orbitando estrelas maiores, observações feitas com telescópios na Terra têm confirmado a existência dos 5 planetas. As descobertas tem como base aproximadamente 6 semanas de dados coletados em um experimento científico que teve início em 12 de Maio de 2009.

O Kepler procura pelas assinaturas dos planetas medindo as variações no brilho das estrelas. Quando um planeta passa em frente a uma estrela, ou transitam a estrela, eles bloqueiam a luz da estrela com uma determinada periodicidade. O tamanho de cada planeta pode ser estimado a partir da variação no brilho. Já a temperatura pode ser estimada a partir das características da estrela que é orbitada pelos planetas.

O Kepler continuará em operação até Novembro de 2012. Ele irá procurar por planetas do tamanho da Terra, incluindo aqueles que orbitam a chamada zona habitável, onde as características de temperatura são favoráveis para o surgimento e manutenção da vida, pois nessa região a água em estado líquido pode existir na superfície do provável planeta. A partir do momento que o trânsito dos planetas na zona habitável ocorre uma vez por ano e são necessários três trânsitos para a confirmação e verificação da descoberta, estima-se que o Kepler irá demorar no mínimo 3 anos para localizar, verificar e confirmar uma planeta do tamanho e com características semelhantes a Terra.

De acordo com Borucki, a pesquisa continua e de longa duração do Kepler deve trazer grandes resultados bem como melhorar a habilidade dos cientistas de determinar a distribuição do tamanho dos planetas encontrados e do seu período orbital. “As descobertas atuais são de fundamental importância para alcançar esse objetivo”, diz Borucki. “As observações do Kepler irão nos dizer se existem muitas estrelas com planetas que podem abrigar vida, ou se nós estamos verdadeiramente sozinhos na nossa galáxia”.

Concepção artística mostra planeta semelhante a Júpiter orbitando estrela quente.
Comparação do tamanho dos planetas encontrados com Júpiter e a Terra.
Temperatura e tamanho dos planetas descobertos comparados com os planetas do sistema solar.
Identificação dos planetas pelo Telescópio Kepler com base na variação do brilho das estrelas.

Fontes:

http://www.universetoday.com/2010/01/04/kepler-discovers-planets-like-objects-hotter-than-stars/

http://sciencenow.sciencemag.org/cgi/content/full/2010/104/1?etoc

http://www.nasa.gov/mission_pages/kepler/news/top_story_contd.html

http://www.jpl.nasa.gov/news/news.cfm?release=2010-001&cid=release_2010-001

http://www.nasa.gov/mission_pages/kepler/multimedia/images/aas_conference.html

http://www.astrobio.net/index.php?option=com_retrospection&task=detail&id=3347

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo