G306.3-0.9: Sondas Chandra e Swift da NASA Exploram Uma Jovem Remanescente de Supernova

g306_01

observatory_150105Enquanto realiza sua extensiva pesquisa por fontes de raios-X nas regiões centrais da galáxia, o satélite Swift da NASA descobriu a até então desconhecida remanescente de uma estrela destruída. Designada G306.3-0.9 depois que as suas coordenadas na posição do céu foram definidas, o novo objeto aparece entre uma das remanescentes supernovas mais jovens conhecidas na Via Láctea.

Os astrônomos anteriormente catalogaram mais de 300 remanescentes de supernovas na galáxia. As novas análises indicam que a G306.3-0.9 tem provavelmente menos de 2500 anos de idade, fazendo dela uma das 20 remanescentes mais jovens já identificadas.

g306_03

g306_04

g306_05

Essa imagem composta acima da remanescente de supernova G306.3-0.9 funde observações feitas com o Chandra em raios-X (azul), com dados adquiridos pelo Telescópio Espacial Spitzer (vermelho e ciano) e observações de rádio (roxo) feitas com o Australia Telescope Compact Array. A imagem tem 20 arcos de minuto de diâmetro, que corresponde a 150 anos-luz na distância estimada para a remanescente.

Os astrônomos estimam que uma explosão de supernova ocorra uma ou duas vezes por século na Via Láctea. A onda de expansão da explosão e os detritos estelares quentes vagarosamente se dissipam por centenas de milhares de anos, eventualmente se misturando com o gás do meio interestelar se tornando indistinguíveis.

Como a evidência fresca de uma cena de crime, a jovem remanescente de supernova fornece aos astrônomos a melhor oportunidade para entender a natureza da estrela original e os detalhes de sua destruição.

As remanescentes de supernova emitem energia através do espectro eletromagnético, desde as ondas de rádio até os raios gamma, e pistas importantes podem ser encontradas em cada banda de energia. As observações de raios-X figuram de maneira proeminente em revelar o movimento dos detritos em expansão, seu conteúdo químico, e a sua interação com o ambiente interestelar, mas a remanescente de supernova se apaga nos raios-X depois de aproximadamente 10000 anos. Na verdade, somente metade das remanescentes de supernovas conhecidas na Via Láctea foi detectada em raios-X.

g306_02

O Swift Galactic Plane Survey é um projeto para imagear uma faixa de dois graus de largura ao longo do plano central da Via Láctea nas energias de raios-X e ultravioleta, ao mesmo tempo. O imageamento começou em 2011 e espera-se que seja completado na metade do ano de 2013.

A pesquisa realizada pelo Swift aproveita o imageamento previamente compilado pelo Telescópio Espacial Spitzer da NASA e estende essa pesquisa para energias maiores. As pesquisas de raios-X e infravermelho se complementam, pois a luz nessas energias penetra as nuvens de poeira do plano galáctico, enquanto que a pesquisa em ultravioleta da região é a primeira já realizada.

Em 22 de Fevereiro de 2011, o Swift imageou um campo de pesquisa perto da borda sul da constelação de Centaurus. Embora nada incomum tivesse aparecido na exposição ultravioleta, as imagens em raios-X revelaram uma fonte estendida, semi-circular parecida com uma remanescente de supernova. Uma pesquisa nos dados de arquivo revelaram contrapartes nas imagens infravermelhas do Spitzer e nos dados de rádio do Molonglo Observatory Synthesis Telescope na Austrália.

g306_07

g306_08

g306_06

A investigação posterior do objeto feita pela equipe usou 83 minutos de exposição do Observatório de Raios-X Chandra e observações adicionais de rádio feitas com o Australia Telescope Compact Array.

Usando uma distância estimada de 26000 anos-luz para a G306.3-0.9, os cientistas determinaram que a onda de choque da explosão está correndo pelo espaço a uma velocidade de 2.4 milhões de quilômetros por hora. As observações feitas com o Chandra revelam a presença de ferro, neônio, sílica e enxofre em temperaturas superiores a 28 milhões de graus Celsius, uma lembrança não somente da energia envolvida, mas do papel das supernovas em semear a galáxia com elementos pesados produzidos no coração das estrelas massivas.

Um artigo descrevendo os achados da equipe estará numa próxima edição do The Astrophysical Journal.

g306_09

Fonte:

http://chandra.harvard.edu/photo/2013/g306/

alma_modificado_rodape105

Sérgio Sacani

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo

Instagram

Error validating access token: The session has been invalidated because the user changed their password or Facebook has changed the session for security reasons.