Estrela de Scholz: Sistema Binário Passou Pela Nuvem de Oort a 70000 Anos Atrás

scholz_01

observatory_150105Uma equipe internacional de cientistas, liderada pelo Dr. Eric Mamajek, da Universidade de Rochester determinou que a aproximadamente 70000 anos atrás, o recém-descoberto, próximo e pouca massa, sistema binário WISE J072003.20-084651.2 passou a uma distância de apenas 0.8 anos-luz do Sol, ou seja, dentro da distante nuvem de cometas, conhecida como Nuvem de Oort externa. Não se tem conhecimento, pelo menos até hoje, de nenhuma outra estrela que tenha se aproximado tanto assim do Sistema Solar – cerca de 5 vezes mais perto do que a atual estrela mais próxima do Sol, Proxima Centauri.

O sistema binário, contém uma estrela anã vermelha (com uma massa de aproximadamente 8% da massa do Sol) e uma anã marrom (com uma massa de 6% a massa do Sol). Ele está localizado na constelação de Monoceros, a cerca de 20 anos-luz de distância da Terra.

O sistema foi apelidado de Estrela de Schulz em homenagem ao seu descobridor – Dr. Ralf-Dieter Schulz do Leibiniz-Institut für Astrophysik Potsdam, na Alemanha, que primeiro relatou a sua descoberta em 2014.

Num novo artigo publicado no Astrophysical Journal Letters, o Dr. Eric Mamajek e seus colegas analisaram a velocidade e a trajetória deste sistema binário.

A trajetória da estrela sugere que a 70000 anos atrás, ela passou a cerca de 52000 unidades astronômicas (ou cerca de 0.8 anos-luz). Isso é astronomicamente muito perto, só para se ter uma ideia, a estrela mais próxima do Sol está a cerca de 4.2 anos-luz de distância.

De acordo com a equipe, a Estrela de Scholz tem uma mistura de características incomuns, apesar de estar muito próximo ela apresenta um movimento tangencial muito lento.

“O movimento tangencial baixo e a proximidade inicialmente indicaram que a estrela estava muito provavelmente se movendo a um encontro no futuro com o Sistema Solar, ou que ela tinha recentemente passado pelo Sistema Solar e agora estava se afastando”, disse o Dr. Mamajek.

scholz_02

“As medidas de velocidade radial foram consistentes com uma estrela que estava se afastando das vizinhanças do Sol – e assim nós percebemos que ela deve ter tido um encontro num passado não muito distante”.

Os cientistas simularam 10000 órbitas da Estrela de Scholz, levando em consideração sua posição, distância, e velocidade, além do campo gravitacional da Via Láctea, e as incertezas estatísticas em todas as medidas.

Das 10000 simulações, 98% mostraram que a estrela passou através da Nuvem de Oort externa, mas felizmente somente uma realização trouxe a estrela para a Nuvem de Oort interna, o que poderia ter deflagrado uma chuva de cometas.

No ponto mais próximo de sua passagem pelo Sistema Solar, a estrela pode ter atingido uma magnitude de 10 – cerca de 50 vezes mais apagada do que normalmente pode ser visto a olho nu. Ela é magneticamente ativa, o que pode ter feito com que ela repentinamente ficasse milhares de vezes mais brilhante que Júpiter.

Assim, é possível que ela possa ter sido visto no céu, a olho nu, por nossos ancestrais a 70000 anos atrás por minutos ou horas, durante esse raro evento de brilho intenso, chamado de flare.

Até agora, a estrela que dominava o recorde de distância de um sobrevoo pelo Sol era a HIP 85605, que foi prevista, passar perto do Sol em 240000 a 470000 anos a partir de agora.

Fonte:

http://www.sci-news.com/astronomy/science-scholzs-star-binary-system-outer-oort-cloud-02508.html

alma_modificado_rodape105

Sérgio Sacani

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo

Instagram

Error validating access token: The session has been invalidated because the user changed their password or Facebook has changed the session for security reasons.