Campos de Dunas de Olivina e Paredes Rochosas São Identificados Pela HiRISE Em Coprates Chasma em Marte

dunas_coprates_01

observatory_150105Na imagem acima, esporas de rocha na parte inferior da parede são encontradas indicando que elas espalharam o material escuro dentro de um campo de duna, sugerindo que materiais locais da parede possuem uma fonte de sedimentos próxima para as dunas. A subimagem abaixo mostra a interface entre os materiais na parede e as dunas na porção noroeste da imagem principal.

dunas_coprates_02

As dunas de areia, as esporas de paredes e os pedaços de rochas são todos compostos parcialmente de olivina (de acordo com os dados do CRISM), um mineral comum formado em processos vulcânicos suportando mais uma vez a ideia para uma fonte local das dunas.

dunas_coprates_03

A olivina é altamente susceptível ao intemperismo por processos aquosos, indicando que essas dunas e os detritos da parede se formaram depois de uma atividade desse tipo. De forma interessante, os minerais de argila (conhecidos como filossilicatos) são detectados na parte mais superior da parede, sugerindo que as alterações aquosas dos materiais da parede ocorreram num passado distante.

dunas_coprates_04

Fonte:

http://hirise.lpl.arizona.edu/ESP_023806_1645

alma_modificado_rodape105

Sérgio Sacani

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo