fbpx

Brexit Faz Com Que Reino Unido Comece A Pensar no Desenvolvimento do Seu Próprio Sistema de GPS

A Grã-Bretanha explorará o desenvolvimento e o lançamento de seu próprio sistema de navegação por satélite, anunciou fontes da Downing Street na terça-feira, dia 1 de Maio de 2018, em meio a dúvidas sobre sua futura inclusão em um importante projeto europeu depois do Brexit.

A primeira-ministra Theresa May criou uma força-tarefa de especialistas em engenharia e aeroespaço liderada pela Agência Espacial do Reino Unido “para desenvolver opções para um Sistema Global de Navegação por Satélite Britânico que guiaria mísseis e satnavs de potência”.

A equipe examinará o fornecimento de sinais civis e criptografados para fornecer a qualquer sistema britânico recursos comerciais e de segurança semelhantes ao sistema GPS americano dominante, acrescentou.

A UE indicou que as empresas britânicas podem ser impedidas de concorrer a contratos com o Galileo, seu sistema de satélites de 9 bilhões de libras (10 bilhões de euros, US $ 12 bilhões) desenvolvido para competir com o GPS da América.

A Grã-Bretanha desempenhou um papel importante no desenvolvimento do sistema, que deverá estar totalmente operacional em 2026, e argumentou que deveria poder continuar a participar como membro pleno depois de deixar a UE em março do próximo ano.

Mas Londres parece estar perdendo o argumento.

O bloco decidiu no início deste ano transferir uma das bases de monitoramento de satélite do Galileo da Grã-Bretanha para a Espanha depois do Brexit para “preservar a segurança”.

Uma fonte da Downing Street disse: “Queremos acesso total ao Galileo, incluindo os elementos cruciais e seguros que ajudarão a guiar os mísseis britânicos, caso sejam necessários para nos manter seguros.

“Mas se não tivermos acesso, encontraremos uma alternativa.”

A Grã-Bretanha poderá usar o sinal aberto do Galileo, mas suas forças armadas e serviços de emergência podem ter acesso negado a um sistema criptografado quando ele estiver totalmente operacional em 2026.

O secretário de negócios Greg Clark escreveu à Comissão da UE no mês passado expressando preocupação com a possível exclusão pós-Brexit da Grã-Bretanha dos elementos seguros.

Especialistas do governo e do setor privado participarão da nova força-tarefa, com o objetivo de lançar um sistema britânico em meados da década de 2020, disse fontes da  Downing Street.

O sistema utilizaria os Territórios Ultramarinos e Dependências da Coroa do país para fornecer a rede global de locais necessários para a infraestrutura terrestre.

Esses territórios britânicos atualmente abrigam equipamentos necessários para o funcionamento do sistema Galileo da UE, observou.

Uma revisão recente do governo estimou que uma falha no serviço de navegação por satélite poderia custar à economia britânica £ 1 bilhão por dia, com defesa, infraestrutura nacional crítica e resposta de emergência, todos dependentes da tecnologia.

A Grã-Bretanha é líder mundial no desenvolvimento de tecnologia de satélite, construindo 40% dos pequenos satélites do mundo e um em cada quatro satélites de telecomunicações, com Glasgow atrás de mais do que qualquer outra cidade europeia.

Fonte:

https://phys.org/news/2018-05-brexit-prompts-uk-probe-satellite.html

Sérgio Sacani

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo

Instagram

Error validating access token: The session has been invalidated because the user changed their password or Facebook has changed the session for security reasons.