fbpx

Asteroide Pallas – O Mundo Que Parece Uma Bola de Golfe

Um novo estudo liderado por Pierre Vernazza (Laboratoire d’Astrophysique de Marseille, França) realizado usando instalações do ESO, observou o asteroide Palas pela primeira vez com uma resolução angular extremamente alta. O asteroide pôde ser observado com tanto detalhe graças ao SPHERE, um instrumento que utiliza óptica adaptativa e que se encontra montado no Very Large Telescope (VLT) do ESO.

Palas foi inicialmente descoberto a 28 de março de 1802 pelo astrônomo alemão Heinrich Wilhelm Matthäus Olbers. Com o nome da deusa grega Palas Atena, o asteroide — juntamente com muitos outros asteroides descobertos no século XIX — foi inicialmente classificado como planeta. No entanto, com o passar do tempo e a evolução da tecnologia, Palas foi mais tarde reclassificado como sendo um asteroide. Atualmente, este objeto é famoso por ser o terceiro maior asteroide do Sistema Solar, com um diâmetro médio de 512 km.

Apesar de Palas ser o maior asteroide conhecido do Sistema Solar depois de Ceres e Vesta, é o único destes grandes asteroides que ainda não foi visitado por uma sonda espacial. Isso se deve à sua órbita, que apresenta uma inclinação, relativamente ao plano da órbita da Terra, incomumente alta — o que significa que é particularmente desafiador pousar uma sonda neste asteroide.

Estas novas imagens mostram que a superfície de Palas apresenta estruturas topográficas muito interessantes, sugerindo uma violenta história colisional. Podemos ver várias crateras enormes em ambos os hemisférios, formando uma superfície que se assemelha a uma bola de golfe. As duas enormes bacias de impacto bastante distintas que vemos na sua superfície podem estar relacionadas com um impacto de formação familiar — uma colisão que fez com que o objeto original se tenha fragmentado em vários corpos separados. O ponto brilhante que aparece no hemisfério sul de Palas (imagem à direita) faz lembrar os depósitos de sal de Ceres.

Crédito:

ESO/M. Marsset et al./MISTRAL algorithm (ONERA/CNRS)

Fonte:

https://www.eso.org/public/brazil/images/potw2008a/

Sérgio Sacani

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .