A Seção Delgada de Um Meteorito Acondrito

acondrito


observatory_150105Em um post anterior, a seção delgada de um meteorito do tipo condrito foi discutida (https://spacetoday.com.br/imagens/uma-analise-rapida-da-secao-delgada-do-meteorito-de-allende/) . Os condritos são os tipos mais comuns de meteoritos rochosos, representando mais de 80% de todos os meteoritos encontrados na Terra. Os acondritos são outro tipo de meteoritos rochosos. Eles são mais raros do que os condritos – representando entre 4 e 8 por cento de todos os meteoritos. Os acondritos foram ejetados de seus corpos principais (a Lua, grandes asteroides como o Vesta, e planetas como Marte e Mercúrio), como o resultado do impacto de um asteroide ou de um cometa.

Sua história é diferente dos condritos. Para começar, eles não possuem côndrulos, nem possuem a composição primitiva solar dos condritos. Muitos dos acondritos lembram rochas vulcânicas terrestres. Tem sido sugerido que a sua diferenciação química aconteceu da mesma maneira que aconteceu com as rochas terrestres – pela separação de cristais recém formados a partir do resfriamento da massa de magma derretido.

Acima pode-se ver uma imagem microscópica de uma seção delgada de um acondrito (Urelito). Os Urelitos são um pequeno grupo de meteoritos incomuns e pouco entendidos. Eles parecem combinar dois processos normalmente observados em outros tipos de meteoritos – processamento químico e alteração por ondas de choques produzidas durante o impacto dos meteoritos. Contudo, a matriz dos Urelitos é atípica de todos os outros meteoritos.

Fonte:

http://epod.usra.edu/blog/2013/09/thin-section-of-an-achondrite.html


alma_modificado_rodape105

Sérgio Sacani

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo