fbpx

A Nebulosa de Reflexão NGC 1999


Essa ampla imagem panorâmica de regiões de formação de estrelas foi capturada com o telescópio de 4 metros Mayall da National Science Foundation em Kitt Peak. Localizada na constelação de Orion (o Caçador), a imagem mostra uma porção da gigantesca nuvem molecular de Orion, conhecida como Orion A, onde novas estrelas estão se formando.

O objeto brilhante no canto inferior esquerdo da imagem é a nebulosa de reflexão conhecida como NGC 1999, que contém a jovem estrela conhecida como V380 Orionis. Um pequeno triângulo de material empoeirado é visto com a sua silhueta destacada contra a nebulosa de reflexão. A NGC 1999 localiza-se no centro de uma rede de filamentos nebulosos que se parecem com raios do aro de uma bicicleta.

Jatos poderosos de gás são talvez a primeira manifestação visível do nascimento de jovens estrelas. Esses jatos criam buracos através das nuvens opacas onde as estrelas estão se formando, buracos esses através dos quais a luz das estrelas recém nascidas podem escapar para produzir o que nós conhecemos como nebulosas de reflexão. Algumas dessas nebulosas podem ser vistas nessa imagem.

Jatos emitidos das jovens estrelas também energizam luminosas ondas de choque conhecidas como objetos Herbig-Haro (HH), que se movem através do gás ao redor em velocidades de centenas de quilômetros por segundo. Enquanto as ondas de choque passam por seus arredores elas aquecem a nebulosa de plasma brilhante. Essa imagem mostra também dezenas desses objetos.

A região abaixo da nebulosa de reflexão NGC 1999 contém um aglomerado de jovens estrelas profundamente mergulhadas. Esses objetos foram primeiramente reconhecidos por Guillermo Haro e por George Herbig por volta de 1950 e hoje eles são conhecidos como HH1 e HH2. Observações recentes indicam que a forma de cone localizada perto da borda direita da imagem, conhecida como HH401 pode ser uma gigantesca onda de choque energizada pela fonte do HH1 e do HH2. Se isso for mesmo verdade o fluxo desses objetos têm mais de 10 anos-luz de comprimento.

O arco de luz que parece uma catarata, localizado acima e à direita do centro da imagem, é o enigmático objeto HH222. Diferente da maioria dos objetos HH, esse é uma fonte de ondas de rádio, não térmicas e polarizadas. A natureza dessa feição permanece desconhecida até hoje.

Do canto superior direito para o canto inferior direito da imagem, existe uma grande cadeia de objetos Herbig-Haro associados com o objeto HH34. O objeto HH34 por si só é uma onda de choque brilhante e compacta localizada perto da base do HH22. Um pouco acima do HH34, um jato compacto pode ser visto como se estivesse emergindo da estrela fonte, que não está visível nessa imagem. Esse jato e a sua primeira onda de choque (HH34) marcam a porção interna da cadeia de choques que traçam uma curva graciosa na forma de S da parte superior direita da imagem em direção aos objetos HH1 e HH2. A parte terminal norte do fluxo está abaixo do topo da imagem, e é representada pelos objetos HH33 e HH40, a parte terminal sul do fluxo finaliza num grupo de pequenas ondas de choque conhecidas como HH86 e HH87, que reside na região escura entre o HH401 e a NGC 1999.

Fonte:

http://www.noao.edu/image_gallery/html/im1086.html


Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .