A Imagem Mais Recente do ISON Feita Pelo Hubble – 18 de Novembro de 2013

hubble_ison_01


observatory_150105À medida que meados do mês de Novembro se aproxima, o ISON oficialmente dominando as notícias. Usando o Telescópio Espacial Hubble, é possível se ter uma visão ainda mais próxima da região mais interna do cometa, onde os jatos de gelo em sublimação estão gerando uma cauda realmente espetacular.

Obtida com observações feitas no dia 2 de Novembro de 2013, a imagem acima combina fotos feitas do ISON através dos filtros azul e vermelho. Enquanto o Hubble segue de perto o cometa que se movimenta rapidamente, as estrelas de fundo aparecem como listras na direção do movimento do ISON. O efeito combinado, que foi removido da imagem final, pode ser visto na imagem abaixo.

hubble_ison_02


Como era de se esperar, a coma esférica ao redor do núcleo do ISON é azul e a cauda é mais avermelhada. Isso ocorre, em parte, devido a luz do Sol refletida: grãos de poeira na cauda refletem mais a luz vermelha do que a luz azul, enquanto que o gás na coma reflete mais a luz azul. Mas a coma também tem seu próprio brilho azul esverdeado, já que os átomos absorvem a luz do Sol e re-emitem a luz de acordo com sua característica espectral única.

Essa é maior separação de cores que já foi observada no Cometa ISON. O cometa, cada vez mais perto do Sol, está mais brilhante e mais estruturado do que nunca. Os pesquisadores do Hubble certamente percorreram um grande caminho até aqui, já que fizeram a primeira observação do ISON em Abril de 2013. O painel de imagens abaixo mostra a comparação do ISON fotografado pelo Hubble em Abril, Outubro e Novembro de 2013.

hubble_ison_03


Lógico que esses oito meses de vigília, não é nada perto dos 10000 anos de jornada do ISON que começou na Nuvem de Oort – e que pode terminar de maneira incendiária, já que o ISON fará uma volta muito próximo da superfície do Sol, no dia 28 de novembro de 2013.

Com essa longa jornada na cabeça, é o momento de apreciarmos onde estamos. Nós estamos vivendo a era de ouro do ISON. Graças ao seu aumento de brilho na última semana, o cometa agora pode ser visível a olho nu pela primeira vez. Se sobreviver à sua volta pelo Sol ele estará visível até meados do mês de Dezembro de 2013, embora cada vez que ele fique mais perto do Sol, mais complicada fica a sua observação.

A proximidade do ISON do Sol não tem parado os astrofotógrafos, que estão fazendo imagens cada vez mais espetaculares. A imgem abaixo foi feita por Michael Jeager em 8 de Novembro de 2013, na imagem pode-se ver em azul o campo de visão do Hubble.

hubble_ison_04


O que é impressionante aqui é que toda essa cauda do ISON está sendo produzida por uma bola de gelo com poucos quilômetros de diâmetro. Comparada com a extensão completa do ISON, a última imagem do Hubble mostra uma região bem diminuta, porém com detalhe surpreendente, focando bem na base da cauda do cometa. Um único pixel se expande por 24 quilômetros de diâmetro.

Agora que o Cometa ISON está próximo, é a vez dos astrônomos amadores. Mas as observações do Hubble, incluindo essa última imagem, ainda fornecerão muitas ideias sobre a ciência e sobre o espetáculo que o cometa irá nos presentear. A imagem abaixo, também espetacular, foi feita pelo astrônomo amador Damian Peach.

hubble_ison_05


Fonte:

http://hubblesite.org/hubble_discoveries/comet_ison/blogs/latest-hubble-image-of-comet-ison

alma_modificado_rodape105

Sérgio Sacani

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo

Instagram

Error validating access token: The session has been invalidated because the user changed their password or Facebook has changed the session for security reasons.