fbpx
27 de fevereiro de 2024

Westerhout 40 – O Lar De Centenas De Estrelas Bebês!!

A imagem acima foi feita pelo  Telescópio Espacial Spitzer da NASA, e mostra uma magnífica  nebulosa que  se assemelha a uma borboleta flutuando no espaço e foi formada pelas estrelas que nasceram, viveram e morreram nela.

O que parece uma borboleta vermelha no espaço é, na realidade, um berçário para centenas de estrelas bebês, reveladas nesta imagem infravermelha do Telescópio Espacial Spitzer da NASA. Oficialmente chamada Westerhout 40 (W40), a borboleta é uma nebulosa – uma gigantesca nuvem de gás e poeira no espaço onde novas estrelas podem se formar. As duas “asas” da borboleta são bolhas gigantes de gás interestelar quente soprando das estrelas mais quentes e massivas desta região.

Além de lindo, o W40 exemplifica como a formação de estrelas resulta na destruição das próprias nuvens que ajudaram a criá-las. Dentro de nuvens gigantes de gás e poeira no espaço, a força da gravidade puxa o material em aglomerados densos. Às vezes, esses aglomerados atingem uma densidade crítica que permite que as estrelas se formem em seus núcleos. A radiação e os ventos provenientes das estrelas mais massivas nessas nuvens – combinados com o material lançado no espaço quando essas estrelas eventualmente explodem – às vezes formam bolhas como as de W40. Mas esses processos também dispersam o gás e a poeira, quebrando aglomerados densos e reduzindo ou interrompendo a formação de novas estrelas.

O material que forma as asas do W40 foi ejetado de um denso aglomerado de estrelas que fica entre as asas na imagem. A mais quente e massiva dessas estrelas, W40 IRS 1a, fica perto do centro do aglomerado estelar. A W40 está a cerca de 1.400 anos-luz do Sol, aproximadamente a mesma distância que a conhecida nebulosa de Órion, embora as duas estejam a quase 180 graus de distância no céu. São duas das regiões mais próximas em que se observou a formação de estrelas massivas – com massas superiores a 10 vezes a do Sol.

Outro aglomerado de estrelas, chamado Serpens South, pode ser visto no canto superior direito de W40 nesta imagem. Embora tanto Serpens South quanto o aglomerado no coração da W40 sejam jovens em termos astronômicos (menos de alguns milhões de anos), Serpens South é o mais jovem dos dois. Suas estrelas ainda estão embutidas em sua nuvem, mas um dia irão estourar para produzir bolhas como as da W40. O Spitzer também produziu uma imagem mais detalhada do aglomerado Serpens South.

Um mosaico da observação do Spitzer da região de formação estelar W40 foi originalmente publicado como parte do estudo de objetos estelares jovens do Massive Young estelar clusters Study in Infrared and X-rays ( MYStIX ).

A imagem do Spitzer é composta por quatro imagens tiradas com a Infrared Array Camera (IRAC) do telescópio durante a missão principal do Spitzer, em diferentes comprimentos de onda de luz infravermelha: 3.6, 4.5, 5.8 e 8.0 mícron (mostrados em azul, verde, laranja e vermelho) . Moléculas orgânicas feitas de carbono e hidrogênio, chamadas de hidrocarbonetos aromáticos policíclicos (PAHs), são excitadas pela radiação interestelar e tornam-se luminescentes em comprimentos de onda próximos a 8.0 mícrons, dando à nebulosa suas características avermelhadas. As estrelas são mais brilhantes nos comprimentos de onda mais curtos, dando-lhes uma tonalidade azul. Algumas das estrelas mais jovens estão cercadas por discos empoeirados de material, que brilham com um tom amarelo ou vermelho.

O Jet Propulsion Laboratory em Pasadena, Califórnia, gerencia a missão do Telescópio Espacial Spitzer para a Diretoria de Missões Científicas da NASA em Washington. As operações científicas são conduzidas no Spitzer Science Center no Caltech em Pasadena. As operações espaciais são baseadas na Lockheed Martin Space Systems em Littleton, Colorado. Os dados são arquivados no Infrared Science Archive localizado no IPAC da Caltech. A Caltech gerencia o JPL para a NASA.

Mais informações sobre o Spitzer podem ser encontradas em seu site:

http://www.spitzer.caltech.edu/

Fonte:

https://www.jpl.nasa.gov/news/space-butterfly-is-home-to-hundreds-of-baby-stars

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo