Vídeo Mostra Todo o Processo de Coleta de Amostras Realizado Pela OSIRIS-REx No Bennu

Sonda OSIRIS-REx Coleta Amostras do Asteroide Bennu from SpaceToday on Vimeo.

Capturada no dia 20 de outubro de 2020, durante o evento de coleta de amostras da missão OSIRIS-REx, essa série de imagens mostra o campo de visão da câmera de navegação 2, ou NavCam 2 da sonda da NASA se aproximando, tocando e saindo da superfície do asteroide Bennu. O evento de coleta de amostras, levou a sonda até o ponto de coleta chamado de Nightingale, e a equipe da missão na Terra, recebeu a confirmação do sucesso do evento, às 19:08, horário de Brasília, do dia 20 de outubro de 2020. Os dados preliminares mostram que a cabeça do coletor de amostras, tocou a superfície do Bennu por 6 segundos, e depois disso a sonda ligou seus motores para se afastar do asteroide.

Essas imagens foram capturadas durante um período aproximado de 3 horas, a sequência de imagens começa aproximadamente uma hora depois da sonda ter saído da sua órbita  e termina aproximadamente 2 minutos depois da sonda ter queimado seus motores para deixar o asteroide. No meio da sequência, a sonda gira, de modo que a NavCam 2 fica apontada para o espaço. A equipe da OSIRIS-REx então realizou uma rotação final para apontar a câmera, e o braço de coleta para a superfície do asteroide novamente.

À medida que a sonda se aproxima do Nightingale, a sombra do braço de amostragem aparece no campo de visão na parte inferior do frame. Pouco tempo depois, a cabeça de amostragem impacta com o local de coleta, o que acontece fora do campo de visão da sonda, na parte superior direita, e dispara a sua carga de nitrogênio, que então mobiliza uma parte substancial de material no local de amostragem. Poucos segundos depois, a sonda realiza a queima dos motores para deixar o asteroide e a sombra do braço de coleta é vista novamente no material perturbado na superfície do asteroide. A equipe continua a investigar o que causou as áreas extremamente escuras visíveis na parte superior e intermediária do frame. A área superior poderia ser a borda da depressão criada pelo braço de amostragem, uma forte sombra gerada pelo material levantado da superfície, ou por uma combinação desses dois efeitos. Do mesmo modo, a região escura no meio, que aparece primeiro na parte esquerda inferior da imagem, poderia ser uma depressão causada por um dos motores da sonda na hora que ele foi ligado, uma sombra causada pelo material levantado, ou uma combinação das duas coisas.

A sequência foi criada usando 189 imagens feitas pela câmera NavCam 2 da sonda. A NavCam 2 capturou imagens para o sistema de navegação Natural Feature Tracking, ou NFT. O sistema NFT permitiu que a sonda se guiasse de forma autônoma pela superfície do Bennu, comparando imagens em tempo real com imagnes de um catálogo que ela levava a bordo. Durante o evento de coleta de amostras, a câmera NavCam 2, ficou imagiando continuamente a superfície do Bennu, de modo que o sistema NFT pudesse atualizar a posição e a velocidade relativa da sonda com relação ao asteroide Bennu, à medida que a sonda ia descendo para o seu ponto de coleta de amostras.

O imageador NavCam 2, é  pancromático, ou seja, faz imagens em preto e branco e é uma das 3 câmeras que compõem o TAGCAMS, ou Touch-and-Go Camera System, que é parte do sistema de controle, navegação e guiagem da OSIRIS-REx. As TAGCAMS foram desenhadas, construídas e testadas pela Malin Space Science Systems, e a Lockheed Martin Space integrou as TAGCAMS à OSIRIS-REx, além de operar as câmeras.

Credit: NASA/Goddard/University of Arizona/Lockheed Martin

Fonte:

https://www.asteroidmission.org/navcam2_tag_single_loop_complete_small_gif/

Sérgio Sacani

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo