fbpx

Uma Imagem do Século 21 da Galáxia M101

Uma das últimas entradas do famoso catálogo de Charles Messier, a grande e bonita galáxia espiral M101 definitivamente não é uma das menos importantes. Com aproximadamente 170000 anos-luz de diâmetro, essa galáxia é enorme, quase com o dobro do tamanho da Via Láctea. A M101 foi também uma das nebulosas espirais originais observadas por Lord Rosse através do grande telescópio do século 19, o Leviatã de Parsontown. Em contraste com o que foi observado no século 19, a imagem acima é a mais moderna já feita da galáxia M101. Essa é uma imagem feita com múltiplos comprimentos de onda obtidos pelos telescópios espaciais do século 21. Para compor a imagem foram usados os comprimentos de onda desde os raios-X (alta energia) até o infravermelho (baixas energias). Podemos então observar na imagem acima em roxo os dados obtidos pelo Observatório de Raios-X Chandra, em azul os dados capturados pelo Galaxy Evolution Explorer, em amarelo os dados obtidos pelo Telescópio Espacial Hubble e em vermelho os dados obtidos pelo Telescópio Espacial Spitzer. Enquanto que os dados de raios-X traçam a localização do gás aquecido a milhões de graus ao redor das estrelas explosivas, estrelas de nêutrons e sistemas binários de buracos negros da M101, os dados de energia mais baixa identificam as estrelas e a poeira que define os grandes braços espirais da M101. Também conhecida como a Galáxia do Cata-Vento, a M101 localiza-se na borda da constelação Ursa Major, a aproximadamente 25 milhões de anos-luz de distância da Terra.

Fonte:

http://apod.nasa.gov/apod/ap120713.html

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .