fbpx
27 de fevereiro de 2024

Um Olhar no Passado – La Silla Ontem e Hoje


O ESO faz cinquenta anos em 2012 e para celebrar essa importante data, nós iremos mostrar alguns momentos dessa história de sucesso. Uma vez por mês durante todo o ano de 2012 estaremos publicando imagens que comparam o ontem com o hoje, para mostrar como as coisas mudaram no decorrer das décadas nos locais onde estão instalados os observatórios de La Silla e do Paranal, os escritórios do ESO no Chile e a sede do ESO em Garching bei München, na Alemanha.

Nossa primeira parada nessa jornada através do tempo é em La Silla, o primeiro local onde o ESO instalou seus instrumentos. A imagem histórica acima foi feita no final dos anos de 1960 e começo dos anos 1970 desde o domo do telescópio do ESO de 1.52 metros de diâmetro, que teve a sua primeira luz em 1968. Uma segunda foto, mostrada abaixo, foi feita nos dias de hoje, e mostra como o observatório mudou com o passar dos anos.

Na imagem histórica, acima, nós podemos ver o telescópio de 1 metro do ESO em primeiro plano à direita, com o Grand Prism Objectif Telescope (GPO) aparecendo logo atrás. O terceiro telescópio na imagem é o telescópio Schmidt de 1 metro,          que aparece na esquerda. Atrás dele, num nível mais alto estão os tanques de água do observatório.

Na imagem atual nós podemos ver como o observatório de La Silla se desenvolveu, com muitos outros telescópios. O telescópio do ESO de 3.6 metros e o telescópio adjacente conhecido como Coudé Auxiliary Telescope agora parecem se erguendo no pico mais alto dessa localidade. O domo angular do New Technology Telescope (NTT) é visto à esquerda da imagem, perto dos tanques. O prato de 15 metros de diâmetro do Swedish – ESO Submillimetre Telescope (SEST) observa o horizonte na parte mais a direita da imagem.

A foto atual de La Silla foi feita de uma posição um pouco diferente no topo do telescópio de 1.52 metros do ESO, de modo que nessa imagem o GPO está escondido atrás do telescópio de 1 metro que aparece em primeiro plano. O domo branco que é visível atrás do telescópio de 1 metro é o telescópio dinamarquês de 1.54 metros de diâmetro. No centro da imagem nós podemos ver agora o domo prateado do telescópio de 2.2 metros MPG/ESO.

Embora alguns dos telescópios de La Silla, como o ESO de 1 metro, o de 1.52 metros e o SEST não estejam mais funcionando, outros ainda estão fazendo astronomia de ponta na região. O telescópio ESO de 3.6 metros hospeda o instrumento HARPS, o mais importante caçador de exoplanetas na Terra. O NTT tem sido usado para ajudar explicar a formação de estrelas massivas. Ambos os instrumentos fornecem dados vitais que levaram à descoberta sobre a aceleração da expansão do universo, descoberta essa responsável pelo prêmio Nobel de física de 2011. O telescópio MPG/ESO de 2.2 metros tem também produzido dados importantes a partir de imagens sensacionais de grande angular para o estudo das explosões de raios-gamma, as explosões mais violentas do universo.

Fonte:

http://www.eso.org/public/images/comparisons/potw1201a/


Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo