fbpx
17 de setembro de 2021

Sementes de Algodão Germinam Com Sucesso No Lado Oculto da Lua A Bordo da Chang’e-4

Sementes de algodão que estão em uma mini biosfera a bordo da sonda chinesa Chang’e-4, no lado oculto da Lua começaram a germinar, mostram as imagens recém-lançadas do experimento.

A Chang’e-4 fez seu histórico pouso no dia 3 de Janeiro de 2019, depois de passar 3 semanas na órbita lunar, e logo que pousou o módulo começou a testar a sua carga científica, fazendo imagens e mandando o seu rover para explorar a área onde pousou.

Também, a bordo do módulo, está uma mini biosfera com 3kg, que possui experimentos que tiveram início horas depois do pouso na Lua. A imagem principal desse post, foi feita no dia 7 de Janeiro de 2019 e mostra a germinação de sementes de algodão. Abaixo, está uma imagem do mesmo experimento em Terra, para ser usado como comparação com o que está acontecendo na Lua.

A imprensa chinesa disse que a mini biosfera possui seis espécies, algodão, batata, colza, arabidopsis (da família da couve e mostarda), levedura, e também mosca da fruta. A imprensa reportou que não foi observado sinal de crescimento em nenhuma outra espécie até o momento, só no algodão.

Anteriormente haviam relatos de que tinham sido enviados também, casulos do bicho da seda, mas de acordo com os relatórios mais atuais, a equipe pretendia ter enviado os casulos de bicho da seda, mas na hora preferiu enviar as moscas de fruta.

A seleção das espécies aconteceu de acordo com requerimentos estritos devido ao tamanho limitado do equipamento e também devido às extremas condições encontradas na Lua. As espécies de animal e plantas selecionados precisavam suportar um grande agito, principalmente na hora do lançamento e manobras e também altas temperaturas e radiação.

Xie Gengxin, desenvolvedor chefe do experimento biológico da Chang’e-4 disse na CCTV que, “Existem animais, plantas e microorganismos nesse experimento, criando um micro ecossistema em um ambiente fechado. Nós guiamos a luz do Sol para dentro do experimento, que é muito mais forte do que aqui na Terra. E nós iremos estudar a fotossíntese sob condições intensas de luminosidade e comparar com o experimento em Terra”.

Xie ainda disse que o experimento está acontecendo em um ambiente de baixa gravidade de alta radiação.

“Embora seja um experimento biológico ele nos dará o fundamento e o suporte para o nosso próximo passo, que é construir uma base na Lua para viver”.

Outro experimento no módulo de pouso, o Lunar Lander Neutrons and Dosimetry, ou LND, que foi desenvolvido na Alemanha, também forneceu dados relevantes para a futura exploração humana na Lua.

O experimento da mini biosfera foi desenvolvido por uma equipe de cientistas da Universidade de Chongqing no sudoeste da China em colaboração com pesquisadores de 26 institutos de pesquisa e universidades, de acordo com Liu Hanlong, vice chanceler da Universidade de Chongqing.

O experimento está seno monitorado 24 horas por dia, com os dados sendo analisados e resumidos em preparação para futuros experimentos.

A China continuará a exploração da Lua com a Chang’e-5, a missão que irá retornar amostras para a Terra, no final de 2019 e depois ainda enviará missões para o polo sul da Lua, as missões Chang’e-6, 7 e 8 no começo da década de 2020.

Fonte:

https://gbtimes.com/change-4-cotton-seeds-are-sprouting-on-the-far-side-of-the-moon

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo