fbpx
23 de fevereiro de 2024

REVELADO O MISTÉRIO DA GIGANTESCA ERUPÇÃO DO VULCÃO HUNGA-TONGA

ASSINE AGORA O SPACE TODAY PLUS PREMIUM, APENAS R$29,00 POR MÊS, MENOS DE 1 REAL POR DIA!!! https://spacetodayplus.com.br/premium/ Pesquisadores mapearam o sistema de encanamento de magma abaixo do vulcão subaquático de Tonga e descobriram três câmaras de magma, duas das…

ASSINE AGORA O SPACE TODAY PLUS PREMIUM, APENAS R$29,00 POR MÊS, MENOS DE 1 REAL POR DIA!!!

https://spacetodayplus.com.br/premium/

Pesquisadores mapearam o sistema de encanamento de magma abaixo do vulcão subaquático de Tonga e descobriram três câmaras de magma, duas das quais alimentaram a erupção recorde de 2022.
Quase dois anos após uma enorme erupção abalar o vulcão de Hunga Tonga-Hunga Ha’apai em Tonga, no sudoeste do Oceano Pacífico, cientistas finalmente mapearam o enorme sistema de encanamento de magma que deu origem à explosão recorde.
Em 15 de janeiro de 2022, um vulcão abaixo da ilha de Hunga Tonga-Hunga Ha’apai explodiu com tanta força que desencadeou a tempestade de raios mais intensa já registrada e o primeiro mega tsunami documentado desde a antiguidade. A erupção foi sentida em todo o mundo, mas a localização subaquática do vulcão apresentou um desafio para os cientistas que tentavam entender como ocorreu uma explosão tão violenta.
Agora, em um estudo publicado em 15 de dezembro na revista Science Advances, pesquisadores mapearam variações sutis na força da gravidade nas águas ao redor da ilha antes e depois da erupção e descobriram que a explosão provavelmente foi alimentada por duas câmaras de magma que se fundiram.
“Fiquei felizmente surpreso que realmente podemos imaginar um sistema magmático relativamente grande usando esse tipo de conjunto de dados e método”, disse a autora principal Hélène Le Mével, vulcanologista e cientista do Instituto Carnegie de Ciência em Washington D.C. Esse tipo de trabalho “raramente é feito para estudar vulcões submarinos”, disse Le Mével em um e-mail ao Live Science.
Os reservatórios de magma estão em diferentes profundidades entre 2 e 10 quilômetros abaixo do vulcão e provavelmente armazenavam uma alta proporção de magma líquido antes da erupção de 2022, de acordo com o estudo.
Os pesquisadores descobriram que a explosão ejetou aproximadamente 30% do magma – mais de 9 quilômetros cúbicos – de uma câmara central rasa, o que fez o teto do vulcão desabar e formar uma depressão em forma de tigela chamada caldeira, com 850 metros de profundidade. À medida que a pressão no reservatório central diminuiu após a explosão, o magma armazenado em um reservatório mais profundo ao norte pode ter rompido a crosta e reabastecido o reservatório central, abrindo um canal entre as duas câmaras. Também é possível que o magma de uma fonte rica em gás mais profunda na crosta terrestre tenha subido para a câmara central, o que “também pode explicar a violência da erupção de 2022”, de acordo com o estudo.

Um terceiro bolso de magma, localizado a noroeste da câmara central, parece desconectado do sistema e pode representar “uma zona de mingau mais antiga e solidificante”, escreveram os autores.
De acordo com o estudo, até 26 quilômetros cúbicos de magma eruptível ainda podem estar presentes nos dois principais reservatórios abaixo do vulcão Hunga, o suficiente para encher 10 milhões de piscinas olímpicas. (Magma eruptível é definido como magma com mais de 50% de fusão e baixo em sólidos cristalinos.)
Embora o estudo tenha revelado o que alimentou o vulcão, não foi possível determinar o que desencadeou a erupção em massa. “Por si só, os resultados da gravidade não permitiriam concluir diretamente sobre o gatilho da erupção”, disse Le Mével, mas eles fornecem aos pesquisadores “uma ideia de onde e quanto magma poderia ser armazenado sob o vulcão”.
Os achados também podem ser limitados porque foram usados dados de satélite que podem ter sido afetados por ondas do oceano e mudanças na gravidade do leito marinho até a superfície do mar, observaram os pesquisadores no estudo.
“Só temos informações sobre o que mudou ao longo de um intervalo de um ano, então não podemos dizer especificamente o que aconteceu durante a erupção”, disse Le Mével. Mas os dados sugerem que “novos caminhos entre os reservatórios foram criados”, acrescentou ela.
Passaram-se 900 anos desde a última erupção desse porte que abalou a ilha, disse Le Mével, mas erupções menores ocorrem com mais frequência. Uma erupção anterior em 2015 deu origem a um cone de terra conectando duas ilhas, Hunga Tonga e Hunga Ha’apai, que formam a única parte visível do vulcão de 2.000 metros de altura. A enorme erupção de 2022 destruiu o cone e reduziu o edifício subaéreo de Hunga Tonga-Hunga Ha’apai a duas finas faixas de terra.

FONTE:

https://www.science.org/doi/epdf/10.1126/sciadv.adh3156

#VOLCANO #EARTH #LIFE

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo