fbpx
27 de fevereiro de 2024

RAIOS DE VULCÕES PODEM TER INICIADO A VIDA NA TERRA

ASSINE AGORA O SPACE TODAY PLUS PREMIUM, APENAS R$29,00 POR MÊS, MENOS DE 1 REAL POR DIA!!! https://spacetodayplus.com.br/premium/ Os relâmpagos durante as erupções vulcânicas poderiam ter fornecido nitrogênio na forma necessária às primeiras formas de vida Os relâmpagos vulcânicos que…

ASSINE AGORA O SPACE TODAY PLUS PREMIUM, APENAS R$29,00 POR MÊS, MENOS DE 1 REAL POR DIA!!!

https://spacetodayplus.com.br/premium/

Os relâmpagos durante as erupções vulcânicas poderiam ter fornecido nitrogênio na forma necessária às primeiras formas de vida

Os relâmpagos vulcânicos que ocorrem dentro das nuvens de cinzas emitidas durante algumas erupções vulcânicas podem ser uma fonte de nitrogênio
Os relâmpagos vulcânicos que ocorrem dentro de nuvens de cinzas emitidas durante algumas erupções vulcânicas podem ser uma fonte de nitrogênio

Uma análise de rochas vulcânicas revelou grandes quantidades de compostos de nitrogênio que quase certamente foram formados por raios vulcânicos. Este processo poderia ter fornecido o nitrogênio necessário para que as primeiras formas de vida evoluíssem e prosperassem.

O nitrogênio é um componente chave dos aminoácidos que são interligados para formar as proteínas das quais toda a vida depende. Embora o gás nitrogênio seja abundante, as plantas não conseguem convertê-lo em uma forma utilizável como conseguem com o dióxido de carbono.

Em vez disso, as plantas obtêm grande parte do seu nitrogénio a partir de bactérias que são capazes de “fixar” o gás, convertendo-o em compostos de nitrogénio, como o nitrato. Mas as bactérias fixadoras de azoto não existiam quando a vida evoluiu, diz Slimane Bekki, da Universidade Sorbonne, em Paris, pelo que deve ter havido uma fonte não biológica desde o início.

Os relâmpagos das tempestades são uma origem possível. Isto produz uma quantidade relativamente pequena de nitratos hoje, mas pode ter sido importante no início da história da Terra. O famoso experimento Miller-Urey na década de 1950 demonstrou que os raios na atmosfera primitiva da Terra poderiam ter produzido compostos de nitrogênio , incluindo aminoácidos.

Agora, Bekki e seus colegas mostraram que outra fonte poderia ter sido os relâmpagos que ocorrem nas nuvens de cinzas durante algumas erupções vulcânicas.

Quando recolheram depósitos vulcânicos do Peru, Turquia e Itália, os investigadores ficaram inicialmente surpreendidos ao encontrar grandes quantidades de nitratos em algumas camadas. Uma análise isotópica desses nitratos mostrou que eram de origem atmosférica e não haviam sido emitidos pelos vulcões. Mas Bekki diz que as quantidades eram grandes demais para terem sido criadas por raios durante tempestades. “Foi o valor que realmente surpreendeu”, diz ele. “É realmente enorme.” Isso significa que os nitratos provavelmente foram gerados por raios vulcânicos.

“Quando você olha para as diferentes possibilidades, o mais provável é que sejam relâmpagos vulcânicos”, diz Bekki. “Sabemos que ocorrem muitos relâmpagos quando ocorre uma grande erupção vulcânica.”

Tamsin Mather, da Universidade de Oxford, diz que a conclusão da equipe faz sentido. “Esperamos que erupções vulcânicas como as estudadas no artigo gerem relâmpagos significativos, por isso é bem possível que relâmpagos vulcânicos possam ter dado origem a este sinal”, diz ela.

Foi sugerido que a vida evoluiu primeiro em torno de vulcões , e as descobertas da equipa mostram que poderia ter havido uma abundância de compostos de azoto neste ambiente, diz Bekki.

A ideia de que os raios vulcânicos desempenharam um papel fundamental na origem da vida não é nova. Jeffrey Bada, do Scripps Institution of Oceanography, na Califórnia, mostrou anteriormente que raios vulcânicos que atravessam gases vulcânicos podem produzir moléculas como aminoácidos . “Este artigo apenas reforça o que publiquei”, diz ele.

FONTE:

https://www.newscientist.com/article/2415697-lightning-during-volcanic-eruptions-may-have-sparked-life-on-earth/

#EARTH #LIFE #VOLCANO

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo