Rádio Telescópio FAST Da China Descobre FRB Com Múltiplos Sinais

O Five-hundred-meter Aperture Spherical radio Telescope, ou FAST, o maior rádio telescópio do mundo de antena única, localizado na província de Guizhou da China, detectou uma nova FRB, ou Fast Radio Burst, um pulso de rádio que normalmente dura poucos milissegundos.

A descoberta foi recentemente publicada no Astrophysical Journal Letters, foi feita por uma equipe internacional de astrônomos liderada pelos cientistas Zhu Weiwei e Li Di, no National Astronomical Observatories da Academia Chinesa de Ciências (NAOC).

Usando uma técnica inovadora de busca integrado com uma tecnologia de inteligência artificial, os cientistas encontraram uma nova FRB, denominada de FRB 181123, a partir de uma análise profunda feita nos dados massivos adquiridos pelo FAST.

A descoberta relata uma nova FRB com três distintos componentes de emissão.

As FRBs, os misteriosos sinais de rádio do espaço profundo, são normalmente rajadas com um pico, e poucas delas possuem flashes repetidos. As FRBs na sua maioria têm uma estrutura com um único pico onde ocorre um aumento repentino de fótons. O processo inteiro se parece um flash de raio, que brilha no céu por um curto período de tempo antes de escurecer. No caso de uma FRB com múltiplos picos, dois ou três flashes na sequência são registrados, ou até mesmo mais.

De acordo com o Zhu, a FRB recém-descoberta mostra um perfil com múltiplos picos com 3 picos que aconteceram no intervalo de aproximadamente 5 milissegundos, e a energia emitida pelo primeiro pulso é mais brilhante que os outros dois.

A estrutura do pulso da nova FRB é similar à FRB 121102, o primeiro evento repetido observado pelos astrônomos, disse Zhu.

“O pulso do sinal deve ter sido transmitido a cerca de 10 bilhões de anos atrás, antes de ser registrado pelo FAST em 23 de novembro de 2018”, explicou Zhu.

Li Di, que também é o cientista chefe do FAST, atribuiu a descoberta à sensibilidade superior do telescópio. Como um telescópio óptico, quanto maior o calibre, mais sensível é um telescópio e no caso de um rádio telescópio é a mesma coisa, disse Li.

De acordo com o pesquisador, a nova descoberta mostra a grande capacidade e sensibilidade do FAST.

Em 2018, o FAST detectou um dos pulsares de milissegundos mais apagados já registrados na história, enquanto telescópios de muitos outros países falharam na sua detecção, adicionou ele.

Um novo campo da astronomia está se desenvolvendo rapidamente, e o número de FRBs, tem aumentado de forma significante para atingir quase as 1000 FRBs detectadas.

“Nós embarcamos na pesquisa por FRBs em 2015”, disse Li. “Contudo apesar, do seu início tardio, a nova descoberta do FAST tem mostrado a vantagem do rádio telescópio em detectar sinais extremamente fracos do espaço profundo”.

De acordo com Li, o sinal é provavelmente derivado do período quando o maior número de estrelas apareceu na evolução do universo.

“Nós vamos fortalecer nossas pesquisas futuras de confirmação e verificação e pretendemos usar o FAST para nos ajudar a encontrar a origem e a natureza das FRBs”, adicionou o cientista.

Fonte:

http://www.china.org.cn/china/2020-06/09/content_76143378.htm

Sérgio Sacani

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo