Primeira Missão Espacial Dedicada a Atmosferas de Exoplanetas

 

Por: Ned Oliveira

O primeiro telescópio espacial do mundo dedicado ao estudo das atmosferas de exoplanetas deverá ser lançado em 2028, depois que a Agência Espacial Européia (ESA) selecionou a missão para desenvolvimento em 20 de março de 2018.

O Atmospheric Remote-sensing Infrared Exoplanet Large-survey (ARIEL), mapeará mais de 1.000 sistemas planetários conhecidos, fora do nosso.

Até o momento, as sondas de exoplaneta têm se concentrado principalmente em encontrar novos planetas e medir seus tamanhos, massas e órbitas.

Um espectrógrafo a bordo do observatório estudará a luz que filtra a atmosfera de um planeta ao passar, ou transitar pela face da estrela hospedeira, revelando impressões digitais químicas de gases que envolvem o corpo. O instrumento também tentará refinar as estimativas da temperatura de um planeta, e como a luz de sua estrela muda quando o corpo se move atrás dela, revelando detalhes sobre a radiação global de um planeta.

O comitê de planejamento científico da ESA escolheu a ARIEL em uma reunião em Paris, selecionando-a em duas outras missões de classe média: um telescópio de raios X projetado para estudar a polarização da luz de fenômenos energéticos como buracos negros e um detector para sondar comportamento do plasma no espaço próximo da Terra.

ARIEL é uma das várias missões de exoplaneta, mas seu foco nas atmosferas planetárias é raro.

O Transiting Exoplanet Survey Satellite (TESS) da NASA e a missão Characterizing Exoplanet Satellite (CHEOPS) da ESA, projetados para medir o tamanho e a densidade de exoplanetas, devem ser lançados este ano.

E Platão, o antigo projeto de médio porte selecionado pela ESA em 2014, estudará o tamanho e a massa de exoplanetas semelhantes à Terra após seu lançamento em 2026.

O Telescópio Espacial James Webb (JWST) da NASA, com lançamento programado para 2019, também será capaz de estudar atmosferas planetárias. Mas como é um instrumento de propósito geral, o tempo para tais estudos será limitado.

Juntos, esta geração de telescópios permitirá aos cientistas testar modelos de formação e composição planetária, diz Elizabeth Tasker, astrônoma e pesquisadora de exoplanetas do Instituto de Ciências Espaciais e Astronáuticas da Agência de Exploração Aeroespacial do Japão, em Sagamihara.

Embora os telescópios terrestres estejam observando as atmosferas planetárias há quase duas décadas, o alcance do céu que eles cobrem é limitado, e a atmosfera da Terra obscurece alguns comprimentos de onda da luz.

O ARIEL, de um ponto de vista entre a Terra e o Sol, será capaz de vasculhar todo o céu e ver uma faixa mais ampla de comprimentos de onda do que é visível em nosso planeta, diz Tinetti. E, ao contrário do JWST, o ARIEL poderá coletar simultaneamente dados nas partes visível e infravermelha do espectro. Isso significa que poderá fazer medições relevantes a partir de um único trânsito,

Desde as primeiras descobertas de exoplanetas no início dos anos 90, cerca de 3.700 mundos foram confirmados em 2.800 sistemas.

ARIEL se concentrará em planetas que têm uma temperatura estimada de mais de 350 ºC e, portanto, é improvável que hospedem a vida como a conhecemos, e uma gama de massas, em particular aquelas mais pesadas do que algumas massas terrestres.

O ARIEL será o primeiro telescópio espacial dedicado a sondar as atmosferas de exoplanetas, com foco naqueles com temperatura superior a 350 ºC.

Créditos da imagem: NASA / Ames / JPL-Caltech

Fonte: https://www.nature.com/articles/d41586-018-03445-5

Sérgio Sacani

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo

Instagram

Error validating access token: The session has been invalidated because the user changed their password or Facebook has changed the session for security reasons.