fbpx
17 de setembro de 2021

Perseverance Se Prepara Para A Segunda Tentativa De Coleta De Amostra Rochosa Em Marte

Nas últimas duas décadas, todos nós nos acostumamos com os robôs explorando Marte. Pelo menos um rover está ativo no planeta todos os dias desde 4 de janeiro de 2004, quando o robô Spirit da NASA pousou na cratera de Gusev. Seguiram-se Opportunity (2004) e Curiosity (2012), cada um fazendo jornadas únicas de descoberta por conta própria. Perseverance (2021) é o mais recente e o maior desses exploradores robóticos, ostentando um experimento de última geração na utilização de recursos in-situ para extrair oxigênio da atmosfera, um helicóptero que o acompanha para explorar o caminho à frente e um conjunto incomparável de instrumentos de geologia. Mas o que realmente diferencia a missão do Perseverance é que, pela primeira vez, ele está coletando amostras de rocha marciana para trazê-las de volta à Terra.

Por mais avançados que sejam os instrumentos científicos do Perseverance, nada supera a capacidade de estudar amostras de perto em um laboratório aqui na Terra. Então Perseverance está fazendo uma coleta de rochas. Ele está colhendo amostras durante suas jornadas pela cratera de Jezero e deixando caches das amostras para uma futura missão de coleta e retorno à Terra (em algum momento em meados da década de 2020).

Pelo menos, esse é o plano. Mas a exploração do espaço nunca é simples. Tão rotineira quanto a atividade do rover em Marte se tornou nos últimos anos, o planeta vermelho nunca para de surpreender os planejadores de missões. No início deste mês, a Perseverance fez sua primeira tentativa de coletar uma amostra em um de seus 43 tubos de amostragem de titânio. Depois de perfurar o testemunho, a equipe ficou chocada ao descobrir que o tubo de amostra permanecia vazio e não era encontrado em nenhum lugar ao redor do rover, nem no orifício de perfuração.

Acontece que a rocha na qual o Perseverance fez a perfuração era muito mais macia do que se imaginava, e a rocha apenas se desfez em pó sob a broca. Thomas Zurbuchen, administrador associado do Diretório de Missão Científica da NASA, disse aos repórteres “Embora este não tenha sido um sucesso que esperávamos, há sempre o risco de abrir novos caminhos … Estou confiante de que temos a equipe certa para trabalhar nisso, e vamos perseverar em busca de uma solução para garantir o sucesso futuro.”

Esta semana, a equipe está pronta para uma segunda tentativa. O Perseverance se posicionou próximo a um novo afloramento rochoso, apelidado de “Rochette”. Rochette fica a cerca de 455 metros do primeiro local de amostragem, no topo de uma crista chamada Citadelle. Este afloramento sobreviveu a milênios de erosão eólica, sugerindo que deveria suportar a broca de Perseverance com mais facilidade.

“Existem rochas potencialmente mais antigas na região de ‘Séítah do Sul’ à nossa frente, então ter essa amostra mais jovem pode nos ajudar a reconstruir toda a linha do tempo de Jezero”, disse Vivian Sun, uma cientista da missão no Laboratório de Propulsão a Jato da NASA.

A equipe também está fazendo algumas alterações em seu procedimento de amostragem desta vez. Antes de tentar tirar uma amostra de Rochette, o Perseverance usará seu braço robótico para ‘abrasar’ a superfície da rocha e examinar como ela reage. Então, durante o processo de amostragem, a câmera Mastcam-Z do rover olhará dentro do canister para se certificar de que está cheio antes de fechá-lo.

Quanto à vasilha ‘vazia’ da primeira tentativa de amostra – Perseverance vai segurá-la também para retornar à Terra – ela não contém pedras, mas tem uma amostra da atmosfera marciana, que pode ser igualmente interessante para estude.

Esta não é a primeira vez que a rocha e o solo marcianos causam problemas para as missões robóticas da NASA. Curiosity teve que operar por muito tempo com uma furadeira quebrada. A sonda Phoenix encontrou solo marciano “pegajoso” e desafiador para trabalhar em 2008 e, mais recentemente, a “toupeira” da sonda InSight, que deveria perfurar dois metros abaixo do solo para estudar o interior do planeta, foi incapaz de cavar mais do que algumas dezenas de centímetros porque o solo não forneceu o atrito esperado.

Esses desafios são um lembrete frequente de que Marte realmente é um planeta totalmente diferente, e a geologia nem sempre age como nós, terráqueos, esperamos. Mas, com um pouco de sorte e um planejamento cuidadoso, o Perseverance tem uma boa chance de obter uma amostra esta semana. Ao fazer isso, ele tornará o sonho de uma missão de retorno de amostra de Marte um passo mais perto da realidade.

Fonte:

https://www.universetoday.com/152356/after-its-last-rock-sample-crumbled-into-powder-perseverance-is-going-to-try-again/

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo