fbpx
23 de fevereiro de 2024

Os Tesouros Que Circundam a Região do Mare Crisium na Lua


O Mare Crisium é um dos locais mais fáceis de se identificar na Lua. Ele é grande e por si só, não é conectado a nenhum outro mar. Ele na verdade, possui pouco interesse observacional em seu interior a não ser as crateras Lick e Yerkes no banco mais raso que abraçam a parte oeste do seu anel. Mas ao redor do Mare Crisium existem crateras fascinantes de serem observadas, começando com a cratera com parede brilhante Proclus à direita. Com a iluminação da imagem acima, somente uma das suas zonas definidas por raios pode ser vista, além de uns raios um pouco mais apagados depositados no Mare Crisium. A Proclus é uma cratera bem jovem, mas sem data ainda definida, gerada por um impacto oblíquo. Na borda esquerda da imagem acima está uma fascinante cratera com desafios severos para os observadores e para aqueles que desejam fazer uma imagem dela. Crateras com pequenos halos escuros e canais estreitos estão no interior mas são visíveis somente em outras imagens. A melhor oportunidade de se observar a cratera de halo escuro é provavelmente na Lua Cheia quando os hlaos se tornam mais destacados.  Uma das crateras favoritas onde se observar tal feição está localizada na porção extrema direita. A Taruntius é uma cratera de interior fraturado que tem o seu interior elevado trabalhado com fraturas concêntricas. Como mostra essa imagem feita com o Sol alto, um quarto do seu interior é coberto com material escuro, provavelmente poeira que foi resultado da erupção de magma que soergueu o interior.

Fonte:

https://lpod.wikispaces.com/December+8%2C+2011


Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo