O WISE Contempla um Par de Galáxias Dançantes

Essa imagem feita pelo Wide-Field infrared Survey Explorer da NASA, ou WISE, mostra duas galáxias engajadas em uma verdadeira dança intergaláctica. As galáxias, Messier 81 e Messier 82, varrida uma pela outra a centenas de milhões de anos atrás, e que provavelmente continuarão a interagir múltiplas vezes antes de eventualmente se fundirem formando uma única galáxia. O encontro relativamente recente disparou uma espetacular explosão de nascimento de estrelas visíveis em ambas as galáxias.

A Messier 81 (na parte inferior da imagem) é protótipo de uma galáxia espiral com seus pronunciados e bem definidos braços espiralando em direção ao núcleo. Nos comprimentos de onda enxergados pelo WISE, esses belos braços mostram áreas comprimidas de gás e poeira interestelar, que andam lado a lado com áreas de aumento de formação estelar. A densidade das ondas espirais que criam essa compressão e a formação de estrelas foram impulsionadas pela interação gravitacional próxima com a sua parceira a Messier 82, fazendo com que os braços apareçam mais proeminente do em galáxias espirais similares que vivem isoladas.

A Messier 82 (na parte superior da imagem) também é uma galáxia espiral, contudo ela é vista de lado desde o nosso ponto de vista. Ela foi originalmente classificada como uma galáxia irregular, até 2005, quando os astrônomos foram capazes de observar a sua estrutura espiral em imagens feitas no infravermelho próximo (similares aos comprimentos de onda vistos pelo WISE). Quando observada no comprimento de onda visível, essa galáxia aparece como tendo longos e finas barras, e por isso recebe o nome popular de Galáxia do Charuto.

A Messier 82 também é uma galáxia de explosão de estrelas, significando que ela está atualmente em um período de taxa excepcionalmente elevada de formação de estrelas. Essa grande atividade explosiva foi causada pelo seu contato imediato com a M81, de modo que a influência gravitacional fez com que o gás  próximo da região central da M82 fosse comprimido de forma rápida. Essa compressão disparou uma explosão de formação de estrelas concentradas próximo ao seu centro. A intensa radiação de todas as estrelas massivas recém formadas criam um super vento galáctico que está soprando massivas quantidade de gás e poeira perpendicularmente ao plano da galáxia. Esse material ejetado (visto como as áreas laranjas e amarelas se estendendo para cima e para baixo) é constituído principalmente de hidrocarbonetos aromáticos policíclicos, que são produtos comuns da combustão na Terra. Essa feição pode muito bem ser pensada como a fumaça do charuto.

Uma terceira, galáxia menor, a NGC 3077, pode ser vista no canto inferior esquerdo. Essa galáxia espiral pertence ao mesmo grupo da Messier 81 e Messier 82 – um grupo que inclui no mínimo uma dezena de galáxias que estão gravitacionalmente atreladas. A NGC 3077 está também experimentando uma grande explosão de geração de estrelas, provavelmente essa explosão foi disparada pela sua interação com a Messier 81.

As galáxias Messier 81 e Messier 82 são ambas muito brilhantes e podem ser vistas numa noite clara com binóculos apontados na direção da constelação do norte Ursa Major. Na luz visível a Messier 81 é uma das galáxias mais brilhantes que se pode observar. A Messier 82 não é tão brilhante na luz visível, mas na luz infravermelha ela é a galáxia mais brilhante de todo o céu.

Essa imagem foi construída a partir de observações feitas com todos os quatro detectores infravermelhos que viajam a bordo do WISE. As cores azul e ciano (azul e verde) representam a luz infravermelha com comprimento de ondas de 3.4 e 4.6 mícron, que são principalmente emitida pelas estrelas. As cores verde e vermelho representam a luz com 12 e 22 mícron que é gerada principalmente pela emissão proveniente da poeira aquecida.

Fonte:

http://wise.ssl.berkeley.edu/gallery_M81_82.html

 

Sérgio Sacani

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo