fbpx
28 de novembro de 2021

O Que Formou Esse Padrão de Material Ejetado na Lua, Impacto ou Coincidência?

O que gerou essa aparência peculiar a um impacto ocorrido na Lua? O padrão da forma do material ejetado em borboleta é um diagnóstico de uma colisão ocorrida com o bólido atingido a Lua com baixo ângulo (semelhante ao exemplo abaixo). O contraste de tonalidade clara e escuro são indicativos da diferença composicionais ou de maturidade dos materiais que constituem tal região da Lua. Isso é tudo que entendemos. Mas essa ejeção de material foi gerada por um impacto de detritos ou pelo impacto de uma sonda com a Lua? A resolução da câmera NAC da sonda LROC é tão alta que pequenas feições que constituíam sondas da era Apollo podem ser visíveis. Essa imagem foi lançada para comemorar os 42 anos da ida do homem a Lua que se deu com o pouso da Apollo 11 no Mar da Tranquilidade na lua ocorrido em 20 de Julho de 1969.

A sonda Lunar Orbiter 2 foi uma sonda de imagens não tripulada usada em Novembro e no começo do mês de Dezembro de 1966, para auxiliar com a seleção do local de pouso para as missões Apollo e Surveyor. A sonda tornou-se famosa em 1967 com o lançamento ao público de uma imagem oblíqua da cratera Copernicus, uma das únicas quatro imagens registradas, que foi classificada como a Foto do Século (foto abaixo) pelos meios de imprensa no dia. De acordo com o 2007 International Atlas of Lunar Exploration, a sonda Lunar Orbiter 2 foi comandada para se chocar com a superfície do lado escuro da Lua em 11 de Outubro de 1968. As coordenadas do impacto da Luar Orbiter 2 são 119.1? leste e 3.0? de longitude oeste, coordenadas essas que se ajustam com as obtidas pela sonda. O impacto aparece muito maior, com aproximadamente 85 metros de diâmetro para ser o resultado do impacto de uma sonda com apenas alguns metros de altura, mas com a incidência solar com ângulo aproximado de 12 graus. Talvez, o padrão do material ejetado se estenda para além da cratera de impacto. A verdade é que nós não temos certeza sobre o que causou essa feição de impacto. Nós não temos certeza sobre o que causou essa feição e impacto. Atualmente a área está sendo revisitada com o Sol em ângulo elevado para ajudar assim a medir com precisão o anel dessa cratera na Lua.

Fonte:

http://lroc.sese.asu.edu/news/index.php?/archives/421-Crash-or-Coincidence.html

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo