O PASSO A PASSO PARA CONSTRUIR UM BURACO DE MINHOCA | SPACE TODAY TV EP1937

PARA SE INSCREVER NO CURSO BIG BANG – ASTRONOMIA PARA LEIGOS E APRESSADOS ACESSE O SITE:

https://academyspace.com.br/big-bang/

——————————————————————————-

SPACE TODAY STORE:

https://www.spacetodaystore.com

——————————————————————————-

Para fazer parte do seleto grupo dos apoiadores!!!

https://www.youtube.com/channel/UC_Fk7hHbl7vv_7K8tYqJd5A/join

——————————————————————————-

Você gostaria de ter um buraco de minhoca?

Acredito que quase todo mundo gostaria, imagina, poder viajar pelo universo, distâncias gigantescas, cortando caminho, indo de um ponto para outro da galáxia sem precisar passar milhares de anos numa nave, é uma excelente ideia, não é?

Só temos um pequeno problema, os buracos de minhoca que curvam de forma intensa o espaço-tempo e que forma esses túneis de atalho, são catastroficamente instáveis.

Isso que dizer que se você enviar um único fóton por esse caminho, ele colapsa instantaneamente.

Mas recentemente físicos teóricos bolaram uma ótima receita, construir um buraco de minhoca que consiga ficar estável por um tempo suficiente para você enviar uma mensagem.

Só tem um outro problema, para isso é preciso dominar os buracos negros e conseguir algumas cordas cósmicas inifinitamente longas.

Em princípio,construir um buraco de minhoca é algo bem direto. De acordo com a Teoria Geral da Relatividade de Einstein, massa e energia curvam a fábrica do espaço-tempo.

numa determinada configuração, de matéria e energia é possível formar um túnel.

Infelizmente esses túneis são muito instáveis e para conseguir isso seria necessário ter matéria com massa negativa, porém, isso não existe, então precisamos de um novo plano.

Precisamos de uma entrada e uma saída para o buraco de minhoca.

Muito bem, fácil, basta conectar um buraco negro, com um buraco branco, mas buracos brancos não existem, ou pelo menos, não existem de forma tão fácil assim.

Vamos buscar outro plano.

Felizmente, podemos ter um buraco negro eletricamente carregado, nesse caso temos no seu interior uma singularidade pontual que pode ser distorcida e esticada permitindo formar uma ponte para o lado oposto do buraco negro eletricamente carregado.

Pronto, temos um buraco de minhoca com coisas que existem, porém ele ainda é instável, e além disso, os dois lados do buraco de minhoca vão começar a se atrair e o nosso túnel será destruído.

Então, temos que dar um jeito de manter os dois buracos negros eletricamente carregados longe um do outro, para que o buraco de minhoca possa se manter aberto.

Uma solução para isso – cordas cósmicas.

Cordas cósmicas são defeitos teóricos, parecidos com fissuras que se formam no gelo, mas na fábrica do espaço-tempo.

Elas são objetos verdadeiramente exóticos, não são mais largas que um próton, mas com uma polegada delas é possível sustentar o monte everest.

O problema é que não se sabe ao certo se elas existem, mas também não existe motivo para que elas não existam.

Elas podem resolver o nosso problema, pois elas podem ser usadas para evitar que o nossos buracos negros carregados sejam atraídos e isso destrua nosso buraco de minhoca.

Uma corda cósmica resolve um dos nossos problemas, que é evitar que os buracos negros se atraíam, mas temos outro problema, que é evitar o colapso do buraco de minhoca.

Para isso, podemos usar outra corda cósmica, fazer um laço com ela e dessa maneira, ela começa a vibrar, a sua vibração pode fazer com que a energia do espaço, na sua vizinhança se torne negativa, agindo como massa negativa, e se lembrar do início de tudo isso, essa massa negativa estabiliza o nosso buraco de minhoca.

Parece muito complexo, mas não é não, só falta a gente encontrar as cordas cósmicas.

Tudo isso foi ideia de um grupo de físicos teóricos que escreveu um artigo muito interessante que vou deixar aqui na descrição para vocês.

Fonte:

https://arxiv.org/pdf/1908.03273.pdf

#BuracoDeMinhoca #BuracosNegros #CordasCósmicas

Sérgio Sacani

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo