fbpx
27 de fevereiro de 2024

O Mistério das Placas Tectônicas do Satélite Europa

As placas tectônicas representam uma estrutura definidora da geociência moderna, representando características de grande escala na superfície da Terra, como montanhas e vales, bem como os processos que as moldam, como vulcões e terremotos. Placas tectônicas atuais não foram observadas em nenhum outro mundo do sistema solar, e evidências de atividades passadas em planetas como Marte e Vênus são circunstanciais. Talvez o melhor caso para placas tectônicas extraterrestres seja encontrado na camada de gelo flutuante da lua de Júpiter, Europa.

Estudiosos, fornecem a visão mais abrangente ainda possível da atividade tectônica de placas em Europa. Eles estenderam um trabalho anterior,  para incluir mais regiões de superfície e uma abordagem geométrica mais sofisticada, baseando sua análise em um mapa global de Europa derivado de imagens capturadas pelo orbitador Galileo da NASA.

A equipe identificou placas tectônicas prospectivas como regiões de geografia contígua delimitadas por descontinuidades de superfície. Depois de identificar esses limites, eles inferiram uma sequência de tempo de atividade nos limites com base na qual as descontinuidades aparecem no topo ou cortam características adjacentes. Uma vez que essa sequência de eventos foi estabelecida, eles trabalharam para trás a partir do evento mais recente para reconstruir os prováveis ​​movimentos de cada placa necessários para alinhá-la com suas vizinhas.

Os pesquisadores aplicaram essa abordagem a três regiões de Europa que consideraram mais promissoras por terem hospedado atividades tectônicas anteriores. Eles descobriram que, para reconstruir melhor o movimento da superfície, grandes áreas suspeitas de serem placas em estudos anteriores tiveram que ser divididas em subplacas menores ao longo de limites menos óbvios. Essa observação ajuda a explicar por que alguns estudos anteriores descobriram que placas grandes não se reconstruíam bem ou se comportavam de outras maneiras inesperadas, observam os pesquisadores.

Os autores tiram quatro conclusões gerais sobre a atividade das placas tectônicas em Europa: é espacialmente difundida; está confinada regionalmente em vez de globalmente conectada; ocorre de forma intermitente e não está acontecendo agora; e durante a atividade passada, as placas flutuaram distâncias limitadas entre 10 e 100 quilômetros.

Cada uma dessas características distingue a atividade tectônica na Europa daquela na Terra. Os mecanismos de condução do sistema de placas tectônicas de Europa certamente também são diferentes. Para revelar ainda mais esses mecanismos e responder a outras perguntas sobre Europa, os cientistas planetários precisam de mais observações de alta resolução, dizem os pesquisadores, que as próximas missões JUICE (Jupiter Icy Moons Explorer) e Europa Clipper fornecerão.

Fonte:

https://eos.org/research-spotlights/europas-plate-tectonic-activity-is-unlike-earths

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo