fbpx

Nota de Apoio Ao Garoto 8 Anos Repreendido Por Gostar de Rock Pesado – Gostar de Iron Maiden Não é Crime!

Como todos que me acompanham pelos meus canais de comunicação com o mundo sabem raramente uso esse espaço para expressar a minha opinião pessoal sobre alguma coisa. Mas o acontecido no dia 3 de Agosto de 2011, me revoltou e me chamou muito a atenção. Primeiro vamos aos fatos, em uma escola de São José do Rio Preto, um garoto de 8 anos de idade foi pego pela professora batucando na mesa, como um baterista, a professora então o encaminhou à diretoria, e lá por três horas esse menino foi torturado psicologicamente por uma diretora, que no mínimo deveria perder o emprego. A diretora “conversando” com o aluno, descobriu que o mesmo era fã de bandas de rock pesado como Ozzy, Metallica e Iron Maiden. E mais ele tinha um sonho de ser guitarrista do Iron Maiden. A diretora então abriu seu computador e mostrou capas do disco do Iron Maiden para o garoto dizendo a ele que tudo isso era coisa do demônio, o menino, com razão ficou muito assustado e voltou para casa apavorado, a família então resolveu tirá-lo do colégio (que por sinal fez muito bem!).

É muito triste ler uma notícia dessa no nosso país. É triste por vários fatores. Primeiro, tudo bem, que o menino estava errado em ficar batucando na carteira, na hora da aula tem que prestar atenção. Mas a professora sem o menor tato não poderia ter feito o que fez. Por que não aproveitar o momento para dar uma aula sobre, por exemplo, matemática, a divisão dos tempos musicais, etc.. Essa escola diga-se de passagem só tem 15 alunos por sala, e deveria dar aos professores uma maior liberdade de temas para serem discutidos na sala. Na sequência, na diretoria esse menino foi torturado por uma diretora que não deve saber nada do mundo em que vivemos. O garoto tem o direito de gostar do etilo de música que ele quiser, forró, sertanejo, brega, salsa, funk, jazz e até mesmo heavy metal. Isso é privar a liberdade de expressão de um garoto de apenas 8 anos.

Mas agora vamos ao pior, o Iron Maiden. Essa diretora não tem mesmo o menor conhecimento das coisas. A banda de heavy metal Iron Maiden, é uma das bandas de maior sucesso do mundo e não estaria aí por mais de 30 anos se só falasse do demônio, alguma mensagem eles devem passar. Aliás passam muitas mensagens. A começar pelo nome da banda, Iron Maiden em tradução livre significa dama de ferro. Mas calma, não sejam igual a professora, que não sabe nada de nada. Esse nome, dama de ferro se refere a uma máquina de tortura do período medieval. Uma máquina terrível, onde o prisioneiro era trancado em uma câmara mortuária, com abertura na boca para que ele fosse alimentado e pudesse responder a interrogatórios e com pequenas lanças que perfuravam o corpo do preso, sem atingir órgãos vitais de modo que ele morreria lentamente e com muito sofrimento. Isso é história, não é coisa do demônio, como disse a diretora, se referindo as capas do disco do Iron. Mas isso é só o começo. O Iron Maiden quase nunca canta sobre drogas, sexo, bebida ou mulheres. As letras das músicas da banda, diferentes das outras bandas de Heavy metal, são letras baseadas na literatura inglesa e em fatos históricos, principalmente por Steve Harris ser um estudioso de história, principalmente egípcia, e o vocalista Bruce Dickinson ser formado no curso de história. Assim, se a professora conhecesse um pouco sobre história mundial poderia usar esse evento para ensinar de maneira criativa, usando música, acontecimentos importantes e que marcaram o mundo. Mas não elas preferiram deixar a sua marca no mundo.

Vou dar alguns exemplos de como as músicas do Iron Maiden podem ser usadas para contar um pouco da história do mundo e ao final verão como essa professora e essa diretora poderiam ter usado o tema de maneira diferente. Por exemplo, a letra de “Stranger In A Strange Land”, faixa do “Somewhere In Time” um dos discos de maior sucesso do Iron Maiden, fala sobre uma expedição que se perdeu no Pólo Norte, da qual Adrian Smith, guitarrista da banda  encontrou um dos sobreviventes, episódio este que inspirou a banda a escrever a música, cujo título é inspirado num livro escrito por Robert Heinlein. Se a professor e a diretora em questão tivessem essa cultura poderiam usar isso para ensinar sobre os descobridores e desbravadores do mundo. Vocês verão que cada música do Iron poderia inspirar uma aula completa de história.

A música “Where Eagles Dare”, que tem uma das mais belas introduções de bateria do rock,  é baseada no filme de mesmo nome com Clint Eastwood e Richard Burton. O livro é de Alistair MacLean, fala de uma missão em que os aliados (Inglaterra) deveriam derrotar o eixo (Alemanha nazista). Para não dizer que eles como uma banda inglesa falam só de história europeia ou da Inglaterra, a letra de “Run To The Hills” conta a história do massacre dos nativos americanos pelos cara-pálidas de ambos os pontos de vista. A primeira parte da música conta o lado dos índios. A segunda parte conta o lado dos soldados. Com a mesma temática de invasão e invasores tem ainda “Invaders” que fala  sobre as invasões de Vikings na Inglaterra. Uma das músicas mais sensacionais da banda “The Trooper”, tem sua letra baseada na guerra da Criméia entre ingleses e russos. A abertura tenta recriar o galope de cavalos em uma carga de brigada. Baseada no romance “Charge of the Light Brigade” de Lord Alfred Tennyson. Para quem viu o filme onde a atriz  Sandra Bullock ganhou o Oscar irá lembra, pois o garoto adotado no final do filme deve fazer um trabalho e ele escolhe esse poema como tema do seu trabalho.

Mas não só de invasões e guerras falam as letras do Iron Maiden, muitas delas são baseadas em livros de sucesso, peças de teatro e filmes. Por exemplo, “The Evil That Men Do” tomou seu título de uma citação de Shakespeare. A citação é “The evil that men do lives on after them, But the good is oft interred with their bones.” O mal que os homens fazem vivem após eles, mas o bem é enterrado com os seus ossos. Isso é uma fala de Marco Antonio no soliloquio em “Julio Cesar.” Já “Moonchild” é o nome de um livro de Aleister Crowley, o mais proeminente mágico cerimonial deste século, com a pior reputação. As letras da música do Maiden são baseadas em algumas partes do Liber Samekh de Crowley. “Sign Of The Cross” é baseada no livro “The Name Of The Rose” de Umberto Eco. Existe também um filme de mesmo nome estrelado por Sean Connery (no Brasil, O Nome da Rosa). “Eleven saintly shrouded men who came to wash my sins away” se refere à santa inquisição. Outro clássico da banda, “Rime Of The Ancient Mariner”, é uma música épica,  baseada no poema de mesmo nome escrito por Samuel Taylor Coleridge (leitura obrigatória em muitas aulas de literatura inglesa). 

A música “The Prisoner” é baseada na série inglesa de TV com o mesmo nome dos anos 60, estrelada por Patrick McGoohan. Na série, um agente secreto britânico abandona o serviço secreto e é preso assim que chega em casa. Ele acorda em um lugar chamado “The Village” onde as pessoas têm o seu nome trocado por números. Ele é o Número Seis e os números se tornam menores à medida que se é promovido na hierarquia. O Número Um manda no lugar. 

Uma das explicações mais sensacionais é a da música “Sun And Steel”, que conta a história de Miyamoto Musashi, um legendário espadachim japonês. A letra faz referências ao livro de Musashi’s “A Book Of Five Rings.” A primeira luta de Musashi foi com a idade de 13 anos, quando ele (destreinado) supostamene derrotou seu oponente, um guerreiro samurai, matando-o com uma vara. Aos 16 teve sua segunda luta, e matou este oponente também. O verso “Through Earth and Water, Fire and Wind, you came at last, Nothing was the end” é uma referência ao “Book Of Five Rings.” Musashi também escreveu seu livro em 5 seções (livros): Earth, Water, Fire, Wind e Void (vazio). “You make your cut by Fire and Stones, take you and your blade, break you both in two”. O “corte de fogo e pedra” é um movimento que Musashi descreve no livro anteriormente mencionado, capaz realmente de partir em dois o oponente e sua lâmina. Também, de acordo com o livro “Kenjutsu: The Japanese Art of Swordsmanship” de Charles Daniel, Musashi morreu de causas naturais aos 61 anos. No filme “American Samurai” o nome de Musashi é citado pelo vilão do filme como um mestre que matou mais de 60 inimigos em um único combate antes de se considerar um guerreiro perfeito. 

Eu poderia ficar aqui por páginas e mais páginas descrevendo para vocês o conteúdo histórico, épico e interessante contido nas letras do Iron Maiden. Nenhuma letra é feita do nada, sem um fundo histórico ou com base em algo. A mais demoníaca das músicas do Iron é a The Number of the Beast, e mesmo assim foi baseada no filme A Profecia, um clássico.

Para terminar, um exemplo de como a educação e até mesmo a liberdade de expressão é tratada em outros países. Na Inglaterra existe um projeto chamado de Cash for Kids, ou em tradução livre, dinheiro para as crianças. Para promover o projeto e arrecadar dinheiro as escolas fazem de tudo um pouco. Vejam o que uma escola fez, reuniu seus alunos primários e montou um coral para cantar uma música, e adivinhem qual foi a música cantada, Fligh of Icarus do Iron Maiden. Com isso a escola está arrecadando verbas para o projeto e o seu vídeo no youtube já viralizou, com milhares de acessos. O vídeo é mostrado abaixo. Portanto diretora Ana Maria, da escola Ponto Alfa de São José do Rio Preto, fica aqui uma mensagem para a senhora que quis despertar nele uma reflexão sobre a realidade, estude mais, aprenda a ouvir e interpretar tudo na vida. Como a senhora disse, as letras que fazem alusão a besta, ao demônio, são letras que possuem uma mensagem muito mais profunda, mesmo que falassem do demônio todos temos o direito de ouvir o que quisermos, mas não é o caso como mostrei anteriormente, são letras que retratam fatos históricos, passagens importantes de livros e filmes. E ao contrário do que a senhora disse, que as letras não passam mensagem positiva, repense isso, aprenda um pouco de inglês e interpretação de texto, se recicle, leia antes as coisas, e principalmente antes de fazer o que fez pense duas ou até dez vezes. É triste ver a educação no Brasil caminhando nessa direção. Mas fica aqui a minha mensagem para o garoto e para a sua mãe. Não desista do seu sonho, não se deixe abater por isso, siga seu caminho, pois tenho certeza que será um vencedor e ouça cada vez mais alto as músicas do Iron Maiden, uma das maiores e melhores bandas de todos os tempos!

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .