Netuno Completa Sua Primeira Volta ao Redor do Sol Desde a Sua Descoberta em 1846

Essas quatro imagens do planeta Netuno foram feitas pelo Telescópio Espacial Hubble durante o período de rotação do planeta de 16 horas. As fotos foram feitas com um intervalo de quatro horas, oferecendo dessa forma uma visão completa do planeta azul esverdeado. Hoje, 12 de Julho de 2011, marca o aniversário da primeira órbita de Netuno ao redor do Sol, desde que ele foi descoberto a aproximadamente 165 anos atrás. Essas fotos foram feitas para comemorar essa data.

Para celebrar esse aniversário é necessário primeiro uma data. Essa é a primeira complicação na conturbada história de Netuno. Netuno foi descoberto em 23 de Setembro de 1846, pelo astrônomo John Galle usando um mapa estelar feito por Johann Encke, e por isso geralmente se dá o crédito a ele, e o Observatório de Berlin. Contudo, essa data de 23 de Setembro é um pouco incerta. Assim sendo, aproximadamente às 7 da manhã, horário de Brasília do dia 13 de Julho de 2011, o planeta Netuno terá completado uma volta em torno do Sol, desde a sua descoberta. Como um ano Netuniano corresponde a 164.79 anos terrestres pode-se dizer que o planeta está um ano mais velho desde que foi descoberto pelo ser humano.

A história da descoberta de Netuno é fascinante. Leverrier sugeriu uma posição para o planeta com base em cálculos teóricos. Esses cálculos se baseavam no movimento do planeta Urano descoberto em 1781 por William Herschel. Urano não tinha um caminho tranquilo como os astrônomos haviam previstos, desse modo chegaram à conclusão que algum objeto estava perturbando a órbita de Urano. A descoberta de um planeta na posição indicada por Leverrier foi um triunfo tanto para ele como para a astronomia francesa.

Johann Gottfried Galle escreveu para o matemático francês Urbain Jena Joseph Leverrier em 25 de Setembro de 1846: O planeta que a posição você apontou existe de verdade. No mesmo dia em que recebi a sua carta eu encontrei uma estrela de magnitude 8 que não estava nos excelentes mapas estelares, desenhados pelo Dr. Bremiker, Hora XXI da série de mapas celestes publicados pela Academia Real de Berlin. As observações feitas na sequência determinaram que ali existia um planeta. Depois de toda a controvérsia todos concordam que entre 12 e 13 de Julho de 2011, o planeta Netuno completa sua primeira volta ao redor do Sol, desde a sua descoberta.

Voltando para as imagens do Hubble, elas foram feitas usando a Wide Field Camera 3 nos dias 25 e 26 de Junho de 2011, e revelam as nuvens de alta altitude localizadas nos hemisférios norte e sul de Netuno. Essas nuvens são compostas por cristais de gelo de metano. Nas imagens do Hubble, a absorção da luz vermelha pelo metano da atmosfera de Netuno concede às imagens do planeta essa cor de água. As nuvens de Netuno aparecem rosas pois elas refletem luz no comprimento de onda do infravermelho próximo. Uma faixa escura apagada próximo da base do hemisfério sul é provavelmente causada pela diminuição da névoa na atmosfera que dispersa a luz azul. A faixa foi imageada pela sonda Voyager 2 da NASA em 1989, e pode estar amarrada à circulação circumpolar criada pelos ventos de alta velocidade nessa região. Netuno é o planeta mais distante do nosso Sistema Solar. Na época da descoberta em 1846, realizada por Johann Galle dobrou o tamanho do Sistema Solar conhecido. O planeta está a 4.5 bilhões de quilômetros do Sol, 30 vezes a distância da Terra ao Sol. Devido a fraca força de atração do Sol a essa distância, Netuno vaga por uma imensa órbita, completando-a vagarosamente aproximadamente a cada 165 anos.

Fonte:

http://hubblesite.org/newscenter/archive/releases/2011/19/

Sérgio Sacani

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo