fbpx
27 de fevereiro de 2024

Não É Um Falcon 9 Mas Sim Parte De Um Foguete Chinês Que Irá Colidir Com A Lua Em Março de 2022

No final do mês de janeiro de 2022, foi relatado pelos astrônomos, que eles estavam rastreando o estágio superior de um foguete Falcon 9 da SpaceX, e que pelas simulações feitas, esse estágio iria colidir com a Lua em 4 de março de 2022. Aqui no Space Today, cheguei fazer esse post aqui sobre a colisão – https://spacetoday.com.br/parte-do-foguete-da-spacex-deve-atingir-a-lua-7-anos-depois-do-lancamento/ .

Essa história tomou grande parte das manchetes, e gerou uma grande chuva de críticas contra a SpaceX pelo fato de ter falhado na maneira como deveria fazer o descarte de forma apropriada do segundo estágio do seu foguete Falcon 9, após o lançamento do satélite Deep Space Climate Observatory, conhecido como DSCOVR do NOAA, em 2015. Os tabloides pelo mundo se aproveitaram e muito dessa notícia, e até mesmo a ESA que é sempre bem tranquila nas críticas, chegou a dizer que a SpaceX durante esse lançamento deveria ter preservado um pouco de combustível para poder colocar o segundo estágio do Falcon 9 numa órbita ao redor do Sol.

Mas você já ouviu a expressão, que o mundo não gira, ele capota? Então numa mudança que parece roteiro de filme de ficção científica, não é o estágio superior do Falcon 9 que irá se chocar com a Lua no próximo mês, mas sim, muito provavelmente um estágio de um foguete chinês.

O astrônomo Bill Gray, que escreveu o software Project Pluto, usado amplamente para rastrear os NEOs, Near Earth Objects e também acaba por rastrear detritos espaciais, foi a fonte original da história sobre a colisão do Falcon 9 com a Lua. Mas ontem, sábado, dia 12 de fevereiro de 2022, em seu próprio site, https://www.projectpluto.com/temp/correct.htm , o astrônomo divulgou uma errata e se desculpou pelo erro. Ele explicou que em 2015, ele e outros observadores encontraram um objeto não identificado no céu e deram a ele um nome temporário, WE0913A. Observações posteriores sugeriram que era provavelmente um artefato humano, e pouco tempo depois, tudo indicava que seria então o segundo estágio do Falcon 9, usado para lançar o satélite DSCOVR.

O astrônomo pensou que poderia ser o próprio satélite, ou alguma parte relacionada com o seu lançamento. Dados posteriores confirmaram que sim o WE0913A tinha passado pela Lua, dois depois do lançamento do DSCOVR e que a identificação anterior de ser o segundo estágio do Falcon 9 estava correta mesmo. O objeto tinha o brilho esperado e também apresentava o tempo esperado e a movimentação em órbita como se havia calculado.

Tudo isso teria passado em branco e não teria notícia nenhuma até que os astrônomos descobrissem que esse objeto iria se chocar com a Lua. E de repente, como sabemos como é o mundo de hoje, o segundo estágio errante de um Falcon 9, o foguete da empresa do bilionário Elon Musk, se tornou notícia no mundo todo, com alguns sites publicando até mesmo que o Elon iria mudar a órbita da Lua com o seu foguete.

Mas então, um engenheiro do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, o JPL, Jon Giorgini, percebeu que esse objeto não era de fato o estágio superior do Falcon 9. Ele escreveu para o Gray, no próprio sábado, dia 12 de fevereiro de 2022, explicando que a trajetória do foguete que levou o DSCOVT e do próprio satélite não passavam particularmente perto da Lua, e que seria muito estranho se o segundo estágio do foguete chegasse tão perto assim da Lua, a ponto de colidir. Isso fez com que prontamente, Gray retornasse para seus dados para tentar identificar potenciais candidatos.

E ele encontrou um, a missão chinesa Chang’e 5-T1, que foi lançada em 2014 a bordo de um foguete Long March 3C. Essa missão lunar lançou uma pequena sonda para a Lua como sendo parte de testes da missão Chang’e-5 que seria lançada posteriormente para coletar amostras do solo lunar. A hora do lançamento e a trajetória lunar se ajustam quase que perfeitamente com a órbita do objeto que irá colidir com a Lua em março de 2022.

Gray escreveu que ele e seus colegas estão bem convencidos de que esse seria então o objeto que irá se chocar com a Lua. O objeto seria o estágio do foguete Long March 3C da missão Chang’5 T-1 e irá se chocar com a Lua no dia 4 de março de 2022, às 12:25 UTC , 09:36, no horário de Brasília.

Fonte:

https://arstechnica.com/science/2022/02/actually-a-falcon-9-rocket-is-not-going-to-hit-the-moon/

https://www.projectpluto.com/temp/correct.htm

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo