fbpx
17 de setembro de 2021

Missão NuSTAR da NASA Descobre Seus Primeiros 10 Buracos Negros Supermassivos

PIA17440


observatory_1501054A sonda da NASA caçadora de buracos negros, conhecida como Nuclear Spectroscopic Telescope Array, ou NuSTAR, completou o registro de seus 10 primeiros buracos negros supermassivos. A missão que possui um mastro do tamanho de um ônibus, é o primeiro telescópio capaz de focar a luz de raio-X de mais alta energia em imagens detalhadas.

Os novos buracos negros descobertos são os primeiros de centenas desses objetos que são esperados que sejam descobertos pela missão nos próximos dois anos. Essas monstruosas estruturas – buracos negros circundados por espessos discos de gás – localizam-se nos corações de galáxias distantes entre 0.3 e 11.4 bilhões de anos-luz da Terra.

“Nós descobrimos os buracos negros por acaso”, explica David Alexander, um membro da equipe do NuSTAR baseado no Departamento de Física da Universidade de Durham na Inglaterra e principal autor de um novo estudo que aparece na edição de 20 de Agosto da revista especializada The Astrophysical Journal. “Nós ficamos olhando para alvos conhecidos e registramos os buracos negros no segundo plano das imagens”.

Achados fortuitos adicionais como esses são esperados pela missão. Juntamente com as pesquisas de alvos da missão de regiões selecionadas do céu, a equipe do NuSTAR planeja combinar centenas de imagens feitas pelo telescópio, com o objetivo de descobrir buracos negros no segundo plano das imagens.

Uma vez que os 10 buracos negros foram identificados, os pesquisadores foram pesquisar os dados anteriores obtidos pelo Observatório de raios-X Chandra da NASA e pelo satélite XMM-Newton da Agência Espacial Europeia, dois telescópios espaciais complementares que observam a luz de raios-X de alta energia. Os cientistas descobriram que os objetos tinham sido detectados antes. Porém só com o NuSTAR foi possível observar com um detalhe excepcional esses objetos.

PIA17440_fig1


Combinando as observações feitas por todo o espectro de raios-X, os astrônomos esperam resolver mistérios ainda vivos sobre os buracos negros. Por exemplo, como muitos deles populam o universo?

“Nós estamos cada vez mais perto de resolver um mistério que começou em 1962”, disse Alexander. “Nessa época, os astrônomos haviam notado um brilho difuso de raios-X no plano de fundo do nosso céu, mas não sabiam ao certo sua origem. Agora, nós sabemos que os buracos negros supermassivos distantes são fontes desse tipo de luz, mas nós precisamos do NuSTAR para ajudar a posteriormente detectar e entender a população dos buracos negros”.

O brilho de raios-X, chamado de raio-X cósmico de fundo, tem o pico nas frequências de alta energia que o NuSTAR foi desenhado para observar, assim a missão é fundamental para identificar o que está produzindo a luz. O NuSTAR também pode encontrar os buracos negros supermassivos mais escondidos, enterrados em espessas paredes de gás.

“Os raios-X de mais alta energia podem passar direto até mesmo pelas mais significantes quantidades de poeira e gás que circundam os buracos negros supermassivos ativos”, disse Fiona Harrison, uma co-autora do estudo e principal investigadora da missão, no Instituto de Tecnologia da Califórnia em Pasadena.

Os dados do Wide-field Infrared Survey Explorer da NASA, ou WISE, e do Spitzer também fornecem pedaços faltantes no quebra-cabeça dos buracos negros pesando a massa das galáxias que os hospedam.

“Nossos primeiros resultados mostram que os buracos negros supermassivos mais distantes estão encapsulados nas maiores galáxias”, disse Daniel Stern, um co-autor do estudo e um cientista de projeto para o NuSTAR no Laboratório de Propulsão a Jato da NASA em Pasadena, na Califórnia. “Isso era o esperado. Se voltarmos quando o universo era mais jovem, existia muita ação com galáxias maiores, colidindo, se fundindo e crescendo.

PIA17440_fig2


Observações futuras revelarão mais sobre os acontecimentos incríveis dos buracos negros próximos e distantes. Além de caçar buracos negros remotos, o NuSTAR está também pesquisando por outros objetos exóticos dentro da nossa galáxia.

O NuSTAR é uma missão Small Explorer liderada pelo Instituto de Tecnologia da Califórnia em Pasadena e gerenciada pelo Laboratório de Propulsão a Jato da NASA também em Pasadena, para o Science Mission Directorate da NASA em Washington. A sonda foi construída pela empresa Orbital Sciences Corporation, em Dulles, Va. Seus instrumentos foram construídos por um consórcio incluindo o Caltech, JPL, a Universidade da Califórnia, Berkeley, a Universidade de Columbia, Nova York, o Goddard Space Flight Center da NASA, em Greenbelt, Md., a Universidade Técnica Dinamarquesa na Dinamarca, o Lawrence Livermore National Laboratory, em Livermore, Califórnia, ATK Aerospace Systemsn, em Goleta, na Callifórnia, e com o suporte do Science Data Center da Agência Espacial Italiana.

O centro de operações da missão NuSTAR está na UC Berkeley, com a ASI fornecendo sua estação equatorial de terra localizada em Malindi no Quênia. O programa da missão é baseado na Universidade Estadual de Sonoma em Rohnert Park, na Califórnia. O Explorer Program da NASA é gerenciado pelo Goddard. O JPL é gerenciado pelo Caltech para a NASA.

Para mais informações visite http://www.nasa.gov/nustar e http://www.nustar.caltech.edu/ .


Fonte:

http://www.jpl.nasa.gov/news/news.php?release=2013-270&rn=news.xml&rst=3894

alma_modificado_rodape1053

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo