fbpx
27 de fevereiro de 2024

Mercúrio Também Tem Tempestades Geomagnéticas

Outros planetas podem ter tempestades geomagnéticas, mesmo que sua magnetosfera seja fraca e eles não tenham uma ionosfera como a Terra? Essa pergunta já foi respondida, de acordo com pesquisas feitas por uma equipe de cientistas nos Estados Unidos, Canadá e China.

A equipe de pesquisa encontrou evidências de que Mercúrio tem um anel de corrente, parte de uma magnetosfera, consistindo de partículas carregadas que fluem lateralmente em forma de rosquinha ao redor do planeta, mas que exclui os polos. Essa evidência veio de dados obtidos da sonda espacial Messenger enquanto estava caindo em direção ao planeta no final de sua missão em 14 de abril de 2015.

Uma magnetosfera é um sistema de campos magnéticos que formam uma bolha em torno de um planeta que é criada pelo núcleo interno giratório e eletricamente carregado de um planeta. Para o nosso planeta, esta bolha atinge 6 a 10 vezes o raio da Terra com o lado oposto ao Sol estendendo-se como a cauda de um cometa até 60 vezes o raio da Terra. Ele se estende assim por causa da força do vento solar interagindo com ele.

Essa magnetosfera ajuda a proteger o planeta da radiação de partículas vindas do Sol e de outros lugares, e também do vento solar, que é um fluxo constante de partículas carregadas que emanam do Sol. Nosso Sol geralmente produz ejeções de massa coronal (CME), rajadas de plasma do Sol, que é um gás superaquecido de partículas carregadas. Os planetas do nosso sistema solar, excluindo Vênus e Marte, também possuem magnetosferas.

Quando um CME atinge a magnetosfera, desencadeia uma tempestade magnética. De acordo com o professor Hui Zhang, do Instituto Geofísico Fairbanks da Universidade do Alasca, “uma tempestade magnética é uma grande  perturbação do campo magnético  na magnetosfera de um planeta”. Aqui na Terra, essa tempestade causa as auroras boreais e austrais, as luzes do norte e as luzes do sul.

Como a equipe de pesquisa descobriu a partir dos dados coletados, Mercúrio também tem tempestades magnéticas. Eles descobriram que o anel de corrente de Mercúrio havia sido comprimida do CME de 14 de abril de 2015, aumentando a energia da corrente. Conforme declarado no artigo de origem, Hui Zhang diz que “a intensificação repentina de uma corrente de anel causa a fase principal de uma tempestade magnética”.

No entanto, como Mercúrio tem uma atmosfera muito fina, nenhuma aurora é produzida. Em vez disso, as partículas acabam atingindo a superfície do planeta. Hui Zhang afirma que “apenas emissões na faixa de raios-X e raios gama da superfície de Mercúrio foram relatadas até agora e não sabemos se existem emissões em outras faixas de comprimento de onda (por exemplo, comprimentos de onda visíveis)”.

Essa descoberta pode indicar que outros planetas, incluindo exoplanetas, com magnetosferas também podem ter tempestades magnéticas. Um dos trabalhos de pesquisa escritos sobre isso, em coautoria de Zhang, conclui: “Os resultados obtidos pela Messenger fornecem uma visão mais fascinante do lugar de Mercúrio na evolução do sistema solar após a descoberta de seu campo magnético planetário intrínseco. ”

Fonte:

https://www.universetoday.com/155424/even-mercury-has-geomagnetic-storms/

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo