fbpx
27 de fevereiro de 2024

Mais Um Mistério Em Vênus – Tsunamis Nas Nuvens

Um grupo de pesquisadores da Universidade de Sevilha, em colaboração com especialistas da Universidade de País Basco, lideraram um estudo detalhado da evolução de uma gigantesca descontinuidade nas nuvens de Vênus, uma grande onda atmosférica com a aparência de um tsunami que está se propagando nas nuvens mais profundas do planeta e que os pesquisadores acreditam pode ter um papel fundamental na aceleração do movimento mais rápido da atmosfera de Vênus.

As observações foram feitas sem interrupção por mais de 100 dias. Esse período de observação só possível graças a colaboração de astrônomos amadores de vários países que lideraram uma campanha mundial de observação coordenada com a missão japonesa Akatsuki, durante o não de 2022.

Todo o trabalho foi publicado em um artigo na revista especializada Astronomy & Astrophysics,  e também revelou um evento totalmente inesperado.

As imagens feitas em ultravioleta com a câmera UVI da sonda Akatsuki, que permite ver as nuvens mais altas de Vênus mostrou que a descontinuidade observada foi capaz de se propagar por algumas horas a cerca de 70 km acima da superfície de Vênus.

Isso é surpreendente pois até agora essa descontinuidade parecia estar presa nas nuvens mais profundas e os pesquisadores nunca tinham observado essa descontinuidade a uma altura tão elevada.

Além de usar os astrônomos amadores e a missão Akatsuki, a missão Parker Solar Probe também foi usada nesse estudo. Os dados da missão contribuíram para ajudar na interpretação física das observações comparando as imagens de emissão térmica de Vênus feitas com a WISPR, da Parker Solar Probe com a câmera R1 da Akatsuki da JAXA.

As imagens feitas pela sonda japonesa Akatsuki não só apontaram para o fato da descontinuidade poder ter se propagado para as nuvens superiores de Vênus, mas também ajudou a entender as razões desse deslocamento.

De maneira geral, as regiões onde os ventos possuem a mesma velocidade como uma onda, agem como uma barreira para a propagação dessa onda. Pelo fato dos ventos gradativamente aumentarem com a altura em Vênus e atingirem uma velocidade maior do que a da descontinuidade no topo das nuvens, a descontinuidade tenta se propagar para cima desde as nuvens profundas, mas encontra esse obstáculo no caminho e então se dissipa.

Então os pesquisadores ficaram surpresos quando eles mediram os ventos nas nuvens mais altas com a Akatsuki, eles encontraram uma velocidade baixa na primeira metade do ano de 2022, algumas vezes mais lentos do que a própria descontinuidade.

E se os ventos se tornassem muito mais lentos com a altura, a descontinuidade levaria mais tempo para encontrar as regiões atmosféricas tão rápidas quando ela, permitindo então que ela se propagasse em alturas maiores.

A medida dos ventos em Vênus é essencial para tentar explicar um fenômeno muito interessante que acontece na atmosfera de Vênus, o fato dela girar 60 vezes mais rápido que a superfície do planeta. Esse fenômeno é conhecido como superrotação.

Esse fenômeno também acontece na lua Titã de Saturno e em muitos exoplanetas, esses tsunamis poderiam ajudar a explicar esse fenômeno, mas ainda são necessários mais estudos.

O fato é que mesmo depois de mais de 50 anos de pesquisa sobre a superrotação de Vênus ela ainda não pode ser explicada de maneira satisfatória.

Fonte:

https://www.newswise.com/articles/new-study-about-the-tsunami-in-venus-s-clouds

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo