Leques em Leques em Marte

Essa é uma sequencia de quatro imagens adquiridas no começo da primavera no hemisfério sul sobre um determinado ponto na região polar sul de Marte. As mudanças nos padrões são tão grandes na metade de uma estação que é difícil acreditar  que as imagens cubram o mesmo terreno. A imagem abaixo ajuda a focar em três diferentes leques que se desenvolvem. Os leques escuros se transformam em leques brilhantes, então novos leques escuros pequenos se formam dentro dos antigos leques escuros. Os leques escuros mais novos se formam ao longo de fraturas formando padrões poligonais ou outros.

Essas mudanças são dirigidas pela sublimação e pela condensação dos materiais voláteis, primariamente o dióxido de carbono. A luz do Sol passa através do gelo para aquecer os pacotes de gás na subsuperfície, que escapam para formar jatos frios, e então os ventos formam os leques na superfície, depositando poeira escura e gelo brilhante.

Fonte:

http://hirise.lpl.arizona.edu/ESP_020953_0925

 

Sérgio Sacani

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo