fbpx
26 de fevereiro de 2024

JAMES WEBB RESOLVE O MISTÉRIO DA GRANDE REGIÃO ESCURA NO CENTRO DA VIA LÁCTEA

ASSINE AGORA O SPACE TODAY PLUS PREMIUM, APENAS R$29,00 POR MÊS, MENOS DE 1 REAL POR DIA!!! https://spacetodayplus.com.br/premium/ No centro da nossa galáxia, a Via Láctea, existe uma turbulenta nuvem escura chamada “O Tijolo”. É denso, opaco e cheio de…

ASSINE AGORA O SPACE TODAY PLUS PREMIUM, APENAS R$29,00 POR MÊS, MENOS DE 1 REAL POR DIA!!!

https://spacetodayplus.com.br/premium/

No centro da nossa galáxia, a Via Láctea, existe uma turbulenta nuvem escura chamada “O Tijolo”. É denso, opaco e cheio de gás frio, e durante décadas os investigadores não conseguiram explicar porque é que uma nuvem que parece perfeita para formar estrelas apresentava tão pouca formação estelar. Novas observações do JWST finalmente forneceram informações sobre o que está acontecendo.

Em primeiro lugar, vamos esclarecer que apesar da pouca formação estelar , ainda existem 56.000 estrelas no The Brick. No entanto, não existem tantos como se esperaria de uma nuvem molecular com massa de 60 milhões de sóis. Pode haver muitos fatores que entram em jogo ao explicar sua inatividade. Pode ser muito jovem, muito turbulento ou ter fortes campos magnéticos extinguindo a formação de novas estrelas.

Usando o JWST, a equipe analisou a emissão de monóxido de carbono através da nuvem e descobriu que há muito monóxido de carbono no centro e na forma de gelo – uma descoberta peculiar, com certeza.

“Nossas observações demonstram de forma convincente que o gelo é muito predominante ali, a tal ponto que todas as observações no futuro devem levá-lo em consideração”, disse Adam Ginsburg, astrônomo da Universidade da Flórida, em um comunicado .

“Com o JWST, estamos abrindo novos caminhos para medir moléculas na fase sólida (gelo), enquanto antes estávamos limitados a observar gases. Esta nova visão nos dá uma visão mais completa de onde as moléculas existem e como elas são transportadas.”

No entanto, o gelo não explica porque é que as estrelas não se formam tão rapidamente e com a frequência esperada. Na verdade, é exatamente o oposto. As estrelas só se formam a partir de gás frio, porque é aí que ele pode se condensar em uma região mais densa. Acima de um certo limite, essa densidade excessiva entra em colapso sob a gravidade e eventualmente se tornará uma estrela. Muito gelo deveria ser um bom sinal de temperaturas baixas ao redor da nuvem, mas a equipe descobriu exatamente o oposto.

O gás no centro do Tijolo é mais quente do que regiões comparáveis ​​e esta é provavelmente uma peça crucial do quebra-cabeça que é esta nuvem molecular. Mas isto é apenas o começo; O JWST foi capaz de fornecer novos detalhes incríveis sobre um objeto bem conhecido que tem confundido os astrônomos há décadas. Estas são apenas as descobertas iniciais de extensas observações do The Brick, e há muito mais que a equipe planeja descobrir.

“Não sabemos, por exemplo, as quantidades relativas de CO, água, CO 2 e moléculas complexas”, disse Ginsburg. “Com a espectroscopia, podemos medi-los e ter uma noção de como a química progride ao longo do tempo nestas nuvens.”

FONTES:

https://www.iflscience.com/paradoxical-dark-region-at-center-of-our-galaxy-has-finally-been-explained-71831

https://arxiv.org/pdf/2308.16050.pdf

#JAMESWEBB #BRICK #UNIVERSE

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo