fbpx
27 de fevereiro de 2024

James Webb Faz Imagem Espetacular de Protoestrela Dupla

Esta nova “Imagem do Mês” do Telescópio Espacial James Webb da NASA/ESA/CSA revela detalhes intricados do objeto Herbig Haro número 797 (HH 797). Objetos Herbig-Haro são regiões luminosas ao redor de estrelas recém-nascidas (conhecidas como protoestrelas) e são formados quando ventos estelares ou jatos de gás expelidos por essas estrelas recém-nascidas criam ondas de choque ao colidir com gás e poeira próximos em altas velocidades. O HH 797, que domina a metade inferior desta imagem, está localizado próximo ao jovem aglomerado estelar aberto IC 348, na borda leste do complexo de nuvens escuras de Perseus. Acredita-se que os objetos brilhantes na parte superior da imagem abriguem mais duas protoestrelas.

Esta imagem foi capturada com a Câmera de Infravermelho Próximo (NIRCam) do Webb. A imagem infravermelha é uma maneira poderosa de estudar estrelas recém-nascidas e seus fluxos, pois as estrelas mais jovens estão invariavelmente ainda embutidas no gás e na poeira de onde se formaram. A emissão infravermelha dos fluxos da estrela penetra o gás e a poeira obscurecedores, tornando os objetos Herbig-Haro ideais para observação com os sensíveis instrumentos infravermelhos do Webb. Moléculas excitadas pelas condições turbulentas, incluindo hidrogênio molecular e monóxido de carbono, emitem luz infravermelha que o Webb pode coletar para visualizar a estrutura dos fluxos. A NIRCam é particularmente eficaz na observação de moléculas quentes (milhares de graus Celsius) que são excitadas como resultado de choques.

Usando observações baseadas em terra, pesquisadores descobriram anteriormente que, para o gás molecular frio associado ao HH 797, a maior parte do gás deslocado para o vermelho (se afastando de nós) é encontrada ao sul (inferior direito), enquanto o gás deslocado para o azul (se aproximando de nós) está ao norte (inferior esquerdo). Também foi encontrada uma variação ao longo do fluxo, de modo que, a uma dada distância da jovem estrela central, a velocidade do gás próximo à borda leste do jato é mais deslocada para o vermelho do que a do gás na borda oeste. Astrônomos no passado pensavam que isso se devia à rotação do fluxo. No entanto, nesta imagem de maior resolução do Webb, podemos ver que o que se pensava ser um único fluxo é na verdade composto por dois fluxos quase paralelos com suas próprias séries de choques (o que explica as assimetrias de velocidade). A fonte, localizada na pequena região escura (inferior direita do centro), e já conhecida de observações anteriores, é portanto não uma, mas uma estrela dupla. Cada estrela está produzindo seu próprio fluxo dramático. Outros fluxos também são vistos nesta imagem, incluindo um da protoestrela no topo direito do centro, juntamente com as paredes da cavidade iluminada.

Fonte:

https://esawebb.org/images/potm2311a/

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo