fbpx
23 de fevereiro de 2024

JAMES WEBB A NOSSA VERDADEIRA MÁQUINA DO TEMPO

ASSINE AGORA O SPACE TODAY PLUS PREMIUM, APENAS R$29,00 POR MÊS, MENOS DE 1 REAL POR DIA!!! https://spacetodayplus.com.br/premium/ "Há muito tempo, numa galáxia não tão distante..." Os astrônomos usaram o Telescópio Espacial James Webb (JWST) para mapear a história das…

ASSINE AGORA O SPACE TODAY PLUS PREMIUM, APENAS R$29,00 POR MÊS, MENOS DE 1 REAL POR DIA!!!

https://spacetodayplus.com.br/premium/

“Há muito tempo, numa galáxia não tão distante…”

Os astrônomos usaram o Telescópio Espacial James Webb (JWST) para mapear a história das estrelas em uma galáxia anã de baixa massa que se assemelha às galáxias que preencheram o universo primitivo. A investigação poderá ajudar a compreender melhor como as taxas de formação estelar mudaram ao longo dos últimos 13 mil milhões de anos, desde o início dos tempos.

A equipe, liderada pela astrônoma da Rutgers University-New Brunswick, Kristen McQuinn, ampliou a galáxia Wolf – Lundmark – Melotte (WLM) com o JWST para obter a imagem mais precisa até agora deste reino isolado no cosmos.

Vizinho da Via Láctea, o WLM reside no limite do grupo local da nossa galáxia, a cerca de 3 milhões de anos-luz de distância. Está formando estrelas ativamente e também hospeda estrelas antigas que se acredita terem se formado há cerca de 13 bilhões de anos, apenas cerca de 800 milhões de anos após o Big Bang ter acontecido.

Como se pensa que galáxias de baixa massa como esta dominaram o universo primitivo, elas constituem um excelente substituto para investigadores como McQuinn que pretendem estudar as taxas de formação estelar inicial.

“Ao olhar tão profundamente e ver com tanta clareza, conseguimos, efetivamente, voltar no tempo”, disse McQuinn. “Basicamente, você está fazendo uma espécie de escavação arqueológica para encontrar estrelas de massa muito baixa que se formaram no início da história do universo.”

Os investigadores observaram que a produção de estrelas diminuiu e diminuiu de acordo com os dados, com o WLM a produzir o maior número de estrelas durante um período de 3 mil milhões de anos, que começou entre 2 mil milhões e 4 mil milhões de anos após o Big Bang.

Esta formação estelar foi interrompida antes de recomeçar; McQuinn atribui esta pausa às condições específicas do universo primitivo .

“O universo naquela época era muito quente. Achamos que a temperatura do universo acabou aquecendo o gás nesta galáxia e desligou a formação de estrelas por um tempo”, disse ela. “O período de arrefecimento durou alguns milhares de milhões de anos e depois a formação estelar prosseguiu novamente.”

A nova investigação demonstra eficazmente a gama de utilizações que os astrónomos têm para o JWST, que foi lançado no dia de Natal de 2021 e começou a enviar dados no verão de 2022.

Além disso, McQuinn acredita que o grande esforço computacional do cluster de computação de alto desempenho Amarel, na calibração e processamento de dados JWST para chegar a esses resultados, demonstra vários procedimentos de processamento que poderiam beneficiar a comunidade científica em geral.

FONTES:

https://www.space.com/james-webb-space-telescope-wold-lundmark-melotte-galaxy-mapping

https://iopscience.iop.org/article/10.3847/1538-4357/ad1105/pdf

#TIMEMACHINE #JAMESWEBB #UNFOLDTHEUNIVERSE

Sérgio Sacani

Formado em geofísica pelo IAG da USP, mestre em engenharia do petróleo pela UNICAMP e doutor em geociências pela UNICAMP. Sérgio está à frente do Space Today, o maior canal de notícias sobre astronomia do Brasil.

Veja todos os posts

Arquivo